Copa Libertadores

Vítor Pereira admite situação difícil do Corinthians na Libertadores: "pancada forte"

Wéverton Rodrigues
Corinthians precisa reverter vantagem de 2 a 0 no Maracanã
Corinthians precisa reverter vantagem de 2 a 0 no Maracanã / Ricardo Moreira/GettyImages
facebooktwitterreddit

O jogo da volta entre Corinthians e Flamengo pelas quartas de final da Libertadores será mais complicado do que o torcedor alvinegro esperava: na última terça-feira (2), os comandos de Vítor Pereira foram superados por 2 a 0 na Neo Química Arena e, agora, possuem difícil missão na fase eliminatória do torneio continental. O técnico português da equipe do Parque São Jorge falou sobre o jogo e admitiu a dificuldade diante do rival carioca.

"O 2 a 0 foi uma pancada forte do ponto de vista anímico, por mais que eu tentasse pedir para a equipe pressionar à frente. Também gostaria de saber como vou resolver, foi um choque de realidade. Não é fácil reverter uma situação dessa na Libertadores. Temos que ir lá competir, dar o nosso melhor, procurar perceber o jogo melhor do que hoje. O problema são os detalhes que definem esse tipo de jogo. Reclamamos de uma possível mão e demos espaço para o adversário. Não conseguimos pressionar e pronto, a parte final foi sofrível, eles poderiam ter feito um ou mais gols. Temos qualidade, não há dúvida, mas temos que ter todos disponíveis, o que não foi o caso."

Vítor Pereira, técnico do Corinthians

O nome de Willian, desfalque por uma tendinite no músculo posterior da coxa direita, foi citado pelo treinador luso na entrevista, bem como Renato Augusto, que está em fase de transição para retornar à equipe. O técnico alvinegro criticou a atuação de Róger Guedes e, ainda, a deficiência na marcação pelos lados com o jogador ocupando o corredor.

"O Willian poderia nos dar um algo a mais. Adson sentiu qualquer coisa, não sei. Gustavo veio de 90 minutos há três dias, teve dificuldade de recuperar. Tínhamos o Giovane para jogar como externo, a única solução, e tínhamos o Róger, que como externo não defende o corredor como acho que tem que ser defendido, então passamos o Yuri no corredor e deixamos ele mais centralizado, mas o Yuri como externo também não conseguiu dar o que queremos."

Vítor Pereira, técnico do Corinthians
facebooktwitterreddit