Sem aval do Benfica, Corinthians não consegue antecipar dinheiro de venda de Pedrinho e situação 'aperta' na Arena

Antonio Mota
Corinthians tenta há cinco meses antecipar valores de venda de Pedrinho ao Benfica, mas, sem o aval dos lusos, Timão não consegue acordo com banco.
Corinthians tenta há cinco meses antecipar valores de venda de Pedrinho ao Benfica, mas, sem o aval dos lusos, Timão não consegue acordo com banco. / Carlos Rodrigues/Getty Images
facebooktwitterreddit

O Corinthians tenta há mais de cinco meses antecipar o dinheiro (cerca de R$ 120 milhões) da venda do meia-atacante Pedrinho ao Benfica junto a um banco parceiro. Porém, sem sucesso nas negociações com os lusos, o clube paulista esbarra em burocracias e segue sem o alívio para os cofres da Neo Química Arena.

Isto porque, de acordo com informações do GE, o Alvinegro precisaria entregar uma nota promissória assinada pelos Encarnados como garantia à instituição financeira. Entretanto, os portugueses (ao menos até o momento) não deram o sinal positivo e, assim, não há acordo pela antecipação junto ao banco.

Vale notar que os times celebraram, em contrato, um acordo para o pagamento do ex-camisa 10 corintiano apenas no ano que vem. O Timão, no entanto, após o término das negociações, procurou um banco para antecipar o recebimento do montante.   

Pedrinho foi contratado pelo Benfica pouco antes da chegada de Jorge Jesus.
Pedrinho foi contratado pelo Benfica pouco antes da chegada de Jorge Jesus. / Gualter Fatia/Getty Images

Sem o dinheiro, o Corinthians vê sua crise financeira apertar ainda mais, uma vez que este montante é tido como um socorro para os cofres de Itaquera. O cenário atual só não é pior pela recente venda do lateral-esquerdo Carlos Augusto por R$ 25,7 milhões ao Monza, da Itália – valor que foi suficiente para o time quitar três folhas salariais atrasadas.

DA FALTA DE ACORDO

Em “pé de guerra” desde a não efetivação da compra de Yony González por parte dos brasileiros, o que impactou diretamente nos valores da transferência de Pedrinho (à época, após reformulação do contrato, o Alvinegro emitiu uma nota afirmando que conseguiria a antecipação do dinheiro, mas não foi o que aconteceu), Timão e Encarnados continuam distantes nos bastidores e o clima não é favorável a um acordo pelo adiantamento alvinegro junto à instituição financeira. Inclusive, em entrevista à Fox Sports, Andrés Sanchez, presidente do clube paulista, se mostrou irritado com Luís Filipe Vieira, presidente do Benfica.

“Ele não deu a carta, nós devolvemos o Yony. Ele ficou nervoso, deu uns ataques, e quis descontar do Pedrinho os 3 milhões de euros. Não aceitei. Quando falamos do Pedrinho, a oferta era de 15 a 18 milhões, e como íamos pagar 3 pelo Yony, ele queria pagar 17. Não aceitamos. Depois teve um acordo, ele pagou 18 milhões de euros pelo Pedrinho. Foi essa a negociação. Mas ele tratou muito mal o Corinthians, faltou com respeito, mas faz parte. Não é a primeira vez. Já na venda do Elias na época, ele pensa que é o presidente do planeta, mas ele é simplesmente o presidente do Benfica. Ele acha o clube dele muito grande, e o Corinthians pequeno. Achou que éramos terceiro mundo, do Brasil”, desabafou.

Quer saber como se prevenir do coronavírus? #FiqueEmCasa e clique ​aqui.

facebooktwitterreddit