Copa do Mundo 2022

6 jogadores que já defenderam mais de uma seleção em Copa do Mundo

Bia Palumbo
Campeão ao lado de Pelé em 1958, Mazzola jogou o Mundial seguinte pela Itália
Campeão ao lado de Pelé em 1958, Mazzola jogou o Mundial seguinte pela Itália / JONATHAN NACKSTRAND/GettyImages
facebooktwitterreddit

Faltam seis meses para o início da Copa do Mundo do Catar, prevista para começar em 21 de novembro de 2022. Para entrar no clima, o 90min faz um aquecimento com matérias especiais que trazem curiosidades e histórias do evento esportivo mais importante e esperado do mundo da bola.

Então chegou a hora de lembrar alguns nomes que integram o seleto grupo de jogadores que vestiram a camisa de mais de uma seleção em Mundiais. A regra atual da FIFA não permite que isso aconteça, então te convido a viajar no tempo. Vamos lá?

1. Dejan Stankovic

O atual técnico do Estrela Vermelha figura no topo da lista porque participou de três edições do Mundial e em cada uma delas usou uma camisa diferente: Iugoslávia (França 1998), Sérvia e Montenegro (Alemanha 2006) e Sérvia (África do Sul 2010).

2. Altafini "Mazzola"

Nascido José João Altafini, o piracicabano marcou duas vezes no 3 a 0 sobre a Áustria, abrindo caminho para a campanha do título em 1958, o primeiro da Seleção Brasileira. O atacante jogou no XV de Piracicaba e Palmeiras, até que acertou com o Milan e ali começou a história com o país que vestiu a camisa em 1962 e então seguiu na Itália mesmo após a aposentadoria.

3. Ferenc Puskás

Natural de Budapeste, o centroavante marcou quatro gols em três jogos pela Hungria em 1954, participando do jogo conhecido como Milagre de Berna. Anos depois foi para o Real Madrid, onde virou ídolo e jogou a Copa do Mundo de 1962 pela Espanha, e inclusive enfrentou o Brasil na derrota por 2 a 1, atuando os 90 minutos nas três partidas que o país disputou na ocasião,

4. Robert Prosinecki

O meio-campista que faz parte da lista daqueles que atuaram por Real Madrid e Barcelona ao longo da carreira. Ele nasceu na Alemanha, porém a carreira começou no Dinamo Zagreb e depois se destacou no Estrela Vermelha, o que lhe rendeu um chamado para representar a Iugoslávia no Mundial da Itália em 1990. Com a dissolução do território, ele foi chamado pela Croácia em 1998 e assim entrou neste ranking.

5. Luis Monti

Ele é o único a disputar duas finais por dois países diferentes. Nascido em Buenos Aires, capital da Argentina, ele perdeu para o Uruguai em 1930, mas na edição seguinte vestia a camisa da Itália que conquistou a primeira taça da sua história diante da extinta Tchecoslováquia. O craque daquela geração era Giuseppe Meazza, que recebeu homenagem póstuma ao virar o nome do estádio localizado no bairro de San Siro, em Milão. Monti atuou por clubes como Huracán, Boca Juniors, San Lorenzo e encerrou a carreira na Juventus.

6. Davor Suker

Davor Suker
Croata marcou seis gols nos sete jogos que fez na Copa do Mundo de 1998 / OMAR TORRES/GettyImages

Trata-se de outro atleta com passagem pelo Real Madrid. Ele seguiu o mesmo caminho de Prosinacki, a diferença é que nasceu em Osijek, leste da Croácia, e em1990 sequer entrou em campo com a camisa iugoslava. Em compensação o faro de artilheiro que marcou sua carreira ajudou a seleção croata a fazer uma das melhores campanhas da história em 1998. Venceu a Alemanha e Holanda, garantindo o 3º lugar no pódio, e de quebra o camisa 9 foi o principal goleador daquele torneio disputado na França.

facebooktwitterreddit