Reportagem especial

Benfica é eliminado da Champions League, e maldição de Béla Guttmann completa 60 anos

Lucas Humberto
No aniversário de 60 anos da maldição de Béla Guttmann, o Benfica é eliminado nas oitavas de final da Champions League
No aniversário de 60 anos da maldição de Béla Guttmann, o Benfica é eliminado nas oitavas de final da Champions League / Keystone/GettyImages
facebooktwitterreddit

Fica a seu critério acreditar ou não no sobrenatural. Mas negar fatos que vão além da mera coincidência talvez seja dos ceticismos, o maior. O gatilho? A eliminação do Benfica, hoje (13), para o Liverpool, na Champions League. Para entender do que estamos falando, é preciso voltar aos anos 1960. Sim, a década de Woodstock, Beatles, Mutantes, Bonequinha de Luxo e da maldição que persegue o Benfica até os dias de hoje.

Era 1962 e não havia ninguém acima dos Encarnados na Europa. A equipe do técnico Béla Guttmann havia acabado de sagrar-se bicampeã continental de forma consecutiva, tendo vencido o Real Madrid de Puskás e Di Stéfano, na segunda decisão, por 5 a 3. Foi então que tudo desandou.

Vendo o sucesso dos seus comandados dentro das quatro linhas, o polêmico, aventureiro e, de certa maneira, 'feiticeiro' treinador húngaro sentiu a necessidade de pedir um aumento. Como ele estava em reta final de contrato e, claro, empilhando vitórias, o momento não poderia ser mais propício. Acontece que a diretoria benfiquista fez jogo duro.

Depois de uma negociação arrastada e sem sucesso, Guttmann resolveu se despedir do Benfica ao final da temporada. Se hoje as personalidades do futebol optam pela boa e velha indireta nas redes sociais, na ocasião o húngaro resolveu ser um pouco mais incisivo: lançou uma maldição nos Encarnados.

"Sem mim, nem daqui a cem anos o Benfica conquistará uma taça continental"

Béla Guttmann

"Há várias versões sobre qual foi a verdadeira frase, mas, com o passar dos anos, ela foi se adaptando, e esta é a versão mais aceita", narrou o jornalista português Paulo Alves, editor do jornal A Bola. Coincidentemente ou não, o gigante de Lisboa nunca mais triunfou em âmbito continental. E olha que oportunidades não faltaram.

Desde a saída de Guttman, o Benfica chegou a outras oito finais de torneios europeus, mas sempre acabou derrotado. A mais marcante das decisões perdidas aconteceu em 1990, pela Copa Europeia, em Viena, na Áustria, justamente onde Guttmann está enterrado. À época, alguns torcedores foram até o túmulo do técnico na tentativa de quebrar a maldição.

"Um grupo de torcedores foi ao cemitério onde Béla está sepultado. Um deles tentou partir o túmulo com uma marreta, mas não conseguiu. Na mesma época, Eusébio foi até lá colocar uma coroa de flores em homenagem ao técnico", contou Alves. Para infelicidade de quem se fez presente, a maldição persiste.


Oito vezes Guttmann

Quem não acreditava nos riscos das palavras de Béla engoliu seco logo no ano seguinte. Em 1963, na final da Copa Europeia, os Encarnados caíram ante o Milan. Mais tarde, precisamente em 1965 e 1968, vieram outros insucessos em decisões, desta vez contra Inter de Milão e Manchester United, respectivamente.

Na Copa da UEFA, atual Liga Europa, o infortúnio seguiu caminhando junto ao clube. Em 1983, o carrasco foi o Anderlecht, da Bélgica. Contudo, a mais dramática das derrotas em finais ainda estava por vir. Em 1988, contra o PSV, da Holanda, os Encarnados caíram nas penalidades máximas da Copa Europeia, após empate sem gols. Em 1990, outro revés ante o Milan no principal torneio de clubes europeus.

Sevilla Benfica Europa League Béla Guttmann
Sevilla faturou a Liga Europa em 2014 / Michael Steele/GettyImages

Demorou até que a equipe de Lisboa reencontrasse o caminho das decisões europeias. Em 2013, o Chelsea contou com gol de Branislav Ivanović aos 48 minutos do segundo tempo para levar a taça da Europa League ao Stamford Bridge. Mais uma vez, os Encarnados se viram condenados aos dizeres de Guttman.

Na tentativa de colocar um ponto final no período sombrio imposto pelo húngaro, a diretoria benfiquista resolveu construir uma estátua, que retrata Guttmann segurando as duas taças europeias conquistadas pelo clube. Com dois metros de altura, a imponente obra de arte esculpida em bronze está localizada no portão 18 do Estádio da Luz.

Embora não seja difícil adivinhar as motivações dos dirigentes, não houve nenhuma declaração oficial relacionando a maldição ao porquê da estátua ter sido construída. De qualquer maneira, de nada adiantou. Em 2014, o Benfica saiu derrotado de mais uma decisão da Europa League, desta vez contra o Sevilla.

Como o universo também gosta de pregar suas peças, o técnico também nunca mais teve sucesso no Velho Continente. E olha que as tentativas foram muitas: Servette (Suíça), Panathinaikos (Grécia), Áustria Viena (Áustria) e Porto (Portugal). Até pelo Brasil ele passou: entre 1957 e 1958, comandou o São Paulo. Por aqui, conquistou o Campeonato Paulista.

Ainda não foi a atual geração do Benfica, de grandes nomes como Darwin Núñez, Rafa Silva e Everton, a responsável a afastar de vez a "zica" do ex-treinador. A queda diante do Liverpool, nas quartas de final da Champions League 2021/22, indica que a maldição de Guttmann de 100 anos sem taças continentais ao clube português segue viva, a todo vapor. A boa notícia é que agora restam apenas quarenta anos...

facebooktwitterreddit