Copa América

Seleção decide não jogar Copa América e tenta convencer outros países; Bolsonaro quer 'time alternativo' e sem Tite

Rodrigo Salomao
Tite e Casemiro são expoentes da vontade de não entrar em campo na Copa América
Tite e Casemiro são expoentes da vontade de não entrar em campo na Copa América / PEDRO UGARTE/Getty Images
facebooktwitterreddit

Faltando exatamente uma semana para que tenha início, a Copa América parece cada dia mais em risco. Depois de sair da Colômbia e da Argentina, o torneio foi transferido para o Brasil. O grande problema é que tal decisão da Conmebol, da CBF e do Governo Federal desagradou muita gente pelo momento que o país vive em relação à pandemia. Incluindo a própria Seleção Brasileira. Muito tem sido especulado a respeito de um possível boicote, que parece de fato às vias de acontecer.

Neymar Jr.
Seleção Brasileira está fechada e determinada em não jogar a Copa América no Brasil. / Buda Mendes/Getty Images

De acordo com o jornalista Fernando Kallás, do diário As (Espanha), os atletas brasileiros já bateram o martelo sobre não entrar em campo na competição sul-americana e agora estão em contato com as demais seleções para que o movimento seja conjunto e organizado. Ainda segundo a matéria, os jogadores teriam se sentido traídos pela oferta de sediar a Copa América sem consultá-los anteriormente. Para eles, a competição deveria ser cancelada e não remendada para um país que já tem mais de 460 mil mortes devido ao vírus.

O clima político nesse contexto é tenso, tanto na CBF quanto na própria presidência da república. Segundo o Correio Braziliense, Jair Bolsonaro já foi informado do motim e vem movimentando o Planalto junto à própria Confederação Brasileira de Futebol para que um time alternativo comandado por um técnico "alinhado ao seu governo" (fala-se em Renato Portaluppi) esteja à disposição a tempo de a bola rolar.

Tite, Jair Bolsonaro
Bolsonaro quer Tite longe da Seleção depois dos recentes episódios. / Lucas Uebel/Getty Images
facebooktwitterreddit