Ruptura de contrato gera 'queda de braço' entre Conmebol e Globo; Entidade quer indenização

Previews of Copa CONMEBOL Libertadores Final 2019
Previews of Copa CONMEBOL Libertadores Final 2019 | Manuel Velasquez/Getty Images

De casa nova na televisão brasileira - o SBT comprou seus direitos de exibição até 2022, a Copa Libertadores motiva uma 'queda de braço' que pode ter seu desfecho somente nos tribunais. Com visões diferentes sobre a ruptura contratual sacramentada após a pandemia global de covid-19 ser deflagrada, TV Globo e Conmebol estão em lados opostos na disputa.

De acordo com a apuração do Blog do Rodrigo Mattos, a principal entidade do futebol sul-americano está decidida a cobrar indenização da emissora, que optou por rescindir o contrato dos direitos de transmissão da Copa Libertadores após a paralisação do calendário. Na época, a TV Globo alegou que "havia no contrato uma cláusula específica de rescisão em caso de suspensão da competição por períodos prolongados, por motivo de força maior", cláusula que, aos olhos do jurídico da emissora, lhe dava cobertura para uma ruptura 'sem danos' financeiros.

A Conmebol, no entanto, tem uma visão totalmente diferente do caso: para a entidade, essa cláusula só poderia ser ativada caso a competição fosse paralisada por 'culpa' da Conmebol. Uma pandemia global foge do raio de ação da entidade, portanto, não deveria valer como justificativa para a rescisão contratual buscada pela TV Globo. Entendendo que foi lesada na situação, a entidade já acionou a emissora em tribunal arbitral suíço para cobrar pela rescisão.