Ranking: os países com mais trocas de técnico ano após ano

Pedro José Domingues
Flamengo v Palmeiras - Brasileirao Series A 2019
Flamengo v Palmeiras - Brasileirao Series A 2019 / Buda Mendes/Getty Images
facebooktwitterreddit

Na última terça-feira (20), a Universidade do Futebol, reconhecida instituição brasileira nesse meio, divulgou em suas redes sociais um estudo científico sobre as trocas de comando técnico por temporada nos países.

A pesquisa, feita pela Universidade do Esporte da Alemanha, aponta o Brasil como líder e vice-líder na classificação. Isso porque foi levado em conta as trocas de técnico por técnico, e também as trocas por interinos, normalmente com auxiliares ou treinadores de base que já estavam nos clubes.

Ver essa foto no Instagram

Brasil: referência global em trocas de treinadores! Um título nada invejável, mas que clama por uma reflexão crítica dentro do país. ⠀ Direto da Alemanha, um estudo científico inédito sobre o impacto das mudanças de comando técnico no futebol brasileiro investigou a fundo as causas e as consequências das trocas de treinadores ao longo de 16 temporadas no Brasil (onde a média de permanência no cargo durante a liga nacional representa apenas 65 dias!). ⠀ E a partir de hoje, exclusivamente pelo site da Universidade do Futebol, você acompanha o desmembramento desse conteúdo acadêmico em 4 partes: reflexão crítica, causas, consequências e implicações práticas. Acesse o link nos stories! ⠀ Amanhã conversaremos com o autor do estudo, o pesquisador @matheusgaldino23 em mais um episódio do FutTalks, a partir das 19:00. Acompanhe pelo nosso Instagram e canal no YouTube! ⠀ Fonte: Galdino, Wicker & Soebbing (2020), Universidade do Esporte da Alemanha em Köln (In Press: Sport, Business and Management).

Uma publicação compartilhada por Universidade do Futebol (@udofutebol) em

Resultado de uma cultura bastante resultadista e imediatista, os técnicos no futebol brasileiro, comummente, não ficam por muito tempo no comando de uma equipe. O estudo aponta que, em média, os treinadores ficam cerca de 65 dias, número muito abaixo do "ideal".

O critério utilizado foi apenas trocas de técnico durante o período de disputa das ligas nacionais - no caso do Brasil, o Brasileirão -, da primeira até a última rodada. Se tivesse sido incluído períodos como os dos estaduais no Brasil, certamente a liderança se isolaria mais.

Confira a lista completa:

1. Brasil (com interino) - média de 37,1

2. Brasil (sem interino) - média de 28,9

3. Espanha (1a e 2a divisões) - média de 27,6

4. Argentina - média de 21,0

5. Colômbia - média de 11,3

6. Inglaterra (2a divisão) - média de 10,0

7. Noruega - média de 9,9

8. Portugal - média de 9,8

9. Itália - média de 9,5

10. Áustria - média de 8,7

11. Inglaterra (1a divisão) - média de 7,7

12. Alemanha - média de 7,3

13. Bélgica - média de 6,4

14. França - média de 4,9

15. Holanda - média de 4,2

16. Dinamarca - média de 3,6

Para mais detalhes e informações sobre o estudo, clique aqui.

facebooktwitterreddit