Grêmio

Presidente do Grêmio exalta relacionamento com o Corinthians e fala sobre “vingança” da Fiel: “Legítimas”

Antonio Mota
Romildo Bolzan, presidente do Grêmio, fala sobre boa relação com o Corinthians. Cartola diz que manifestações da Fiel são legítimas.
Romildo Bolzan, presidente do Grêmio, fala sobre boa relação com o Corinthians. Cartola diz que manifestações da Fiel são legítimas. / Donaldo Hadlich/Código19/Gazeta Press
facebooktwitterreddit

O Grêmio vai disputar uma partida de “vida ou morte” diante do Corinthians na Neo Química Arena, às 16h (de Brasília) deste domingo (5), pela 37ª rodada do Campeonato Brasileiro. Se perder, o Imortal vai estar matematicamente rebaixado para a Série B de 2022. Ontem, 4, o presidente Romildo Bolzan falou sobre a "euforia" para o embate e fez questão de exaltar a bola relação com o Timão.

"Grêmio e Corinthians têm muitas identidades. Não apenas por serem clubes de massa, de grandes torcidas, que expressam um sentimento hegemônico. Significa que corporativamente nós temos várias situações em que nos identificamos, na forma em que gerimos o futebol, interpretamos ele. Corporativamente nada temos de divergências, temos um relacionamento tranquilo com o presidente Duílio”, comentou o cartola.  

Romildo deu a declaração em meio à movimentação de alas da torcida do Corinthians, que estão encarando o duelo como uma oportunidade de “se vingar” do Grêmio por conta do rebaixamento de 2007. À época, os adeptos do Tricolor lotaram o Estádio Olímpico e fizeram uma festa no confronto que marcou o descenso do Timão, na última rodada da Série A daquela temporada.

Vale pontuar que a Fiel elaborou uma “celebração especial” para receber o Grêmio em Itaquera, com direito a cânticos, “caixões” estampados com o escudo do Grêmio e muita provocação.  

“Quanto ao movimento de torcida, não podemos fazer coro sobre isso. Aquilo que aconteceu em 2007 foi muito longe do que aconteceu de fato. O Grêmio não foi responsável pelo rebaixamento do Corinthians e o Corinthians não será pelo do Grêmio, caso ocorra. Então cada um responde pela sua responsabilidade. A realidade do Corinthians é a briga por uma vaga na Libertadores e nós buscamos sair do rebaixamento. O campo não vai se comprometido por esse contexto e as manifestações das torcidas são legítimas", completou Romildo, em entrevista à ESPN.

Corinthians e Grêmio vão entrar em campo na Neo Química Arena, em São Paulo, na tarde deste domingo (5), pela 37ª e antepenúltima rodada do Brasileirão. Com 39 pontos e na 18ª colocação, o Tricolor precisa de ao menos um empate para seguir vivo na luta contra o rebaixamento.

Quer saber como se prevenir do coronavírus? #FiqueEmCasa e clique ​aqui.

facebooktwitterreddit