Diversidade e inclusão

Por futebol mais inclusivo, goleiro do Vasco pede para usar a camisa 24: 'Me sinto honrado'

Lucas Humberto
Decisão do jovem arqueiro vem acompanhada de uma ação recente do Vasco para o Dia Internacional do Orgulho LGBTQIA+
Decisão do jovem arqueiro vem acompanhada de uma ação recente do Vasco para o Dia Internacional do Orgulho LGBTQIA+ / John Early/Getty Images
facebooktwitterreddit

A campanha do Vasco para o Dia Internacional do Orgulho LGBTQIA+ segue trazendo benefícios em prol de um futebol mais inclusivo. Depois da polêmica envolvendo o número 24 e as camisas da seleção brasileira na Copa América, o jovem goleiro Cruzmaltino tomou a decisão de defender as cores do Gigante da Colina utilizando a polêmica numeração.

Criado na base do clube carioca, Halls, 22 anos, procurou a comissão técnica nos últimos dias e pediu para o usar o número 24. "Eu me sinto honrado em poder usar a 24, ainda mais durante esta campanha onde o Vasco se posicionou sobre a causa LGBTQIA+ contra a homofobia e a transfobia. Há alguns anos até cogitaram banir o número no futebol brasileiro só por conta da associação ao jogo do bicho".

Hedge Halls Rocha faz parte da equipe principal e deve ser relacionado por Marcelo Cabo nos próximos dias, sobretudo em razão da convocação de Lucão para as Olimpíadas. Na última temporada, ele disputou a Série B do Brasileirão pelo Náutico e o Campeonato Mineiro pelo Boa Esporte, ainda no início deste ano. Ambas passagem foram por empréstimo.

"Muitas pessoas se sentiam constrangidas em usar a 24, e a gente veio quebrando os tabus. Hoje me sinto honrado, inclusive por estar ajudando numa causa muito bonita. É um gesto simples e grandioso"

Halls explica a escolha do número
facebooktwitterreddit