Libertadores Feminina

Palmeiras campeão: 5 momentos importantes da campanha na Libertadores Feminina

Lucas Humberto
Entre domínio e resiliência, o Palmeiras construiu uma campanha completamente única na Libertadores Feminina
Entre domínio e resiliência, o Palmeiras construiu uma campanha completamente única na Libertadores Feminina / Hector Vivas/GettyImages
facebooktwitterreddit

A Libertadores Feminina terminou com um campeão inédito. Estreantes geralmente têm como objetivo "criar casca". Ninguém exige muito de um clube que está conhecendo um torneio pela primeira vez na história. É por isso que a conquista do Palmeiras é tão gigante. Invictas do início ao fim, as Palestrinas coroam uma campanha de domínio, superação e resiliência com uma goleada sobre o Boca Juniors no duelo derradeiro: 4 a 1.

1. Campanha perfeita na fase de grupos

Ao lado do Palmeiras, Universidad de Chile, Del Valle e Sportivo Limpeño compunham o Grupo C. Só deu Verdão. Em três partidas, as Palestrinas não só venceram bem, como praticamente não tiveram dificuldades: foram 12 gols anotados e somente um sofrido. Em termos de aproveitamento ofensivo, só o Deportivo Cali, com 14 tentos, foi melhor na etapa.

2. Resiliência nas quartas de final

No mata-mata, a equipe de Ricardo Belli não teve vida tão fácil assim. Já nas quartas de final, diante do Santiago Morning, o empate em 1 a 1 parecia indicar a disputa de pênaltis. Mas, as incansáveis palmeirenses queriam resolver no tempo regulamentar. Num lance aéreo e no apagar das luzes, Day Silva não desperdiçou.

3. Ary Borges, letal mais uma vez

Na semifinal, dois dos melhores times da competição: Palmeiras e América de Cali. Era óbvio que as dificuldades viriam. Ainda assim, as paulistas encontraram o caminho para levar mais perigo ao gol das colombianas. No fim, Ary Borges, autora de três gols na Libertadores Feminina, garantiu a presença do Verdão na decisão.

4. A paciência na final

A primeira parcial não foi nada simples. Não é exagero dizer que, no primeiro tempo de Boca Juniors x Palmeiras, as Palestrinas até levaram um pouco de sorte. Mais centradas depois do intervalo, a igualdade no placar em 1 a 1 se transformou num histórico 4 a 1 para o plantel alviverde. Sobrou paciência e controle emocional.

5. A celebração

"Acho que ainda não caiu a ficha. Acho que só quem está aqui consegue entender o que a gente fez para conseguir levantar esse troféu e sair daqui campeão. Estou muito feliz por vestir essa camisa", contou uma emocionada Ary Borges depois do título. Aqui, deixaremos a imagem contar a história por si só.

facebooktwitterreddit