Opinião

Entrevista rasa de Abel Ferreira era tudo que o torcedor do Palmeiras não queria após vexame

Nathália Almeida
Abel Ferreira deu entrevista coletiva bem genérica após vexame alviverde na Copa do Brasil
Abel Ferreira deu entrevista coletiva bem genérica após vexame alviverde na Copa do Brasil / Miguel Schincariol/Getty Images
facebooktwitterreddit

A eliminação vexatória ainda na terceira fase da Copa do Brasil, após derrota para o CRB nas penalidades em pleno Allianz Parque, abalou as estruturas e os bastidores de um clube que esteve no topo do futebol sul-americano em 2020. Mas muito além dos memes e provocações de arquirrivais - naturais pelo surpreendente resultado negativo -, o que mais irritou o torcedor do Palmeiras na noite da última quarta-feira (9) foi a falta de respostas e a estratégica pouco honrosa de protagonistas alviverdes em culpabilizarem as "contingências" pela queda.

Em entrevista coletiva concedida após o duelo, o treinador Abel Ferreira citou "Deus" e o destino na tentativa de explicar o que havia ocorrido no Allianz Parque: "Nosso adversário teve duas finalizações e fez um gol, nós tivemos 34 e não fizemos nenhum (...) Para mim, pênalti é competência e também um bocadinho de sorte. Hoje, não tivemos essa felicidade, e temos que aceitar o que Deus nos deu hoje. Hoje, Deus entendeu que a sorte não devia estar conosco", disse.

abel ferreira palmeiras crb copa do brasil
Abel Ferreira não foi bem em coletiva pós-jogo / Pool/Getty Images

Sabemos que os poucos minutos entre o apito final e a coletiva de imprensa não permitem uma maior reflexão sobre os fatos da partida, mas declarações tão rasas e genéricas como essa, que passam muito longe de dar conta dos reais problemas da performance de uma equipe, frustram o torcedor. O "destino" não explica a concentração criativa do jogo alviverde em Scarpa - que não deveria estar tão sobrecarregado em um elenco tão rico e vasto em alternativas -, assim como não explica a má pontaria dos homens de frente do Palmeiras.

O Verdão enfrenta seu momento mais turbulento e irregular dentro das quatro linhas, entregando atuações muito abaixo de seu verdadeiro potencial e daquilo que já mostrou com este mesmo grupo de jogadores. É hora de buscar soluções efetivas e respostas reais para esta queda tão drástica de desempenho e efetividade, antes que a temporada 2021 se transforme em um pesadelo para um dos principais favoritos aos grandes títulos do calendário. Um deles já foi por água abaixo.

facebooktwitterreddit