Grêmio

O trio reserva de meio-campistas do Grêmio não é melhor que o titular?

Fabio Utz
Darlan, nos últimos tempos, está praticamente arquivado
Darlan, nos últimos tempos, está praticamente arquivado / DIEGO VARA/Getty Images
facebooktwitterreddit

Exceção feita a Douglas Costa, que recebeu no domingo a primeira oportunidade como titular em sua volta ao Grêmio, Tiago Nunes mandou a campo, diante do Fortaleza, a mesma equipe que havia empatado com o Santos na quinta-feira. Sem sair do 0 a 0, a turbulência parece dar lugar à crise, e as escolhas do treinador são cada vez mais contestadas. Neste espaço, queremos propor uma discussão: os meio-campistas que jogaram no final de semana são melhores do que aqueles que acompanharam toda a partida do banco de reservas?

Vamos aos fatos. Thiago Santos, embora o excelente começo com a camisa tricolor, já não consegue dar tanta sustentação defensiva. Muito provavelmente pela mecânica de jogo e pela falta de imposição dos companheiros, seu futebol não evolui mais, a ponto de o sistema defensivo de apresentar, invariavelmente, exposto. Matheus Henrique, há muito, deixa a desejar tanto em poder de marcação quanto em chegada na frente. E Victor Bobsin, apesar de toda a inegável qualidade, não é armador. Completando, Lucas Silva foi a campo, ainda no primeiro tempo, quando Thiago Santos sentiu um problema muscular.

Matheus Henrique Grêmio Meio-campo Titular Reserva Tiago Nunes
Matheus Henrique é bastante contestado pelo torcedor / Pool/Getty Images

Enquanto isso, Fernando Henrique, Darlan e Jean Pyerre acompanharam todo o duelo fora das quatro linhas, e em nenhum momento sequer foram chamados como possíveis alternativas - o treinador fez apenas quatro mudanças, e a quinta seria Luiz Fernando, que chegou a receber orientações. Fernando Henrique é visto como um jogador pronto, de passe longo e que joga de cabeçar erguida. Darlan tem a possibilidade de ser um motor, de fazer o "vai e vem", enquanto Jean Pyerre, mesmo em má fase, é o único camisa 10 do plantel.

Vale a pena insistir nos atuais titulares se os resultados não aparecem? Esse tipo de convicção não pode ter vez justamente em um momento ruim. A dita evolução pregada por Tiago Nunes não se sustenta. Ele fala em número de conclusões, cruzamentos, jogadas pelas laterais. Mas...e daí? Do que adianta esse monte de estatística se o time não produz? Seria bem mais fácil unir desempenho com vitórias se utilizando dos melhores atletas. E, hoje, esses se encontram ali, no banco.

Para mais notícias do Grêmio, clique aqui.

Quer saber como se prevenir do coronavírus? #FiqueEmCasa e clique aqui.

facebooktwitterreddit