Corinthians

O Corinthians tem dinheiro para bancar suas últimas contratações?

Gabriel Gonçalves
Turkish Spor Toto Super Lig"Fenerbahce AS v Antalyaspor AS"
Turkish Spor Toto Super Lig"Fenerbahce AS v Antalyaspor AS" / VI-Images/Getty Images
facebooktwitterreddit

O Corinthians prepara um verdadeiro pacote de contratações para o restante da temporada. O primeiro nome anunciado foi o de Roger Guedes e o meio-campista já foi oficialmente apresentado no clube.

Renato Augusto deve fechar com o clube na próxima semana; Paulinho aguarda decisão; Calleri e Roger Guedes também podem fazer parte dos planos do Timão. Daí fica a pergunta: será que o Corinthians tem dinheiro para bancar tanto salário caro?

Redução na folha salarial

Ainda em 2021, o Corinthians anunciou uma redução mensal de cerca de R$ 4 milhões na folha salarial, conseguida por meio de empréstimos e de dispensas, como os casos de Camacho e de Ramiro.

A diretoria e a comissão técnica ainda entendem que o time precisa de reforços, logo, o plano é contratar nomes que cheguem para assumirem a titularidade da equipe no restante do Campeonato Brasileiro 2021.

Portanto, mesmo que os salários sejam mais caros, o orçamento do Corinthians conseguiria aproveitar a redução para investir em nomes mais consagrados.

Investir para ganhar

O Corinthians vem fazendo uma gestão econômica no clube, porém, o entendimento geral é de que os reforços são fundamentais para manter o time competitivo.

Afinal, conseguir colocações melhores nos campeonatos também significa dinheiro, já que as premiações estão cada vez mais altas no cenário brasileiro e continental.

Uma queda para a segunda divisão ou ficar fora novamente da Libertadores atrapalha os planos de qualquer equipe no cenário brasileiro, reduzindo consideravelmente os ganhos com cotas de TV e participações.

Portanto, para buscar mais dinheiro, o Corinthians precisa gastar com salários. O plano do clube é não investir em valores de transação, aproveitando oportunidades de mercado.

Volta da torcida

A tendência é de que, aos poucos, a volta da torcida seja autorizada nos estádios Brasil afora. Com os novos contratos da Neo Química Arena, o clube retoma parte da arrecadação da bilheteria de Itaquera.

Assim, um dos planos do presidente Duílio é 'chamar a torcida' com um time competitivo e aumentar a arrecadação com o limite de público possível para ajudar a sanar as contas do Corinthians.

Será que vai?

facebooktwitterreddit