Mudanças na seleção brasileira não param em Tite - veja nomes que podem ser desligados da CBF

Fabio Utz
Juninho Paulista tende a deixar o cargo de coordenador
Juninho Paulista tende a deixar o cargo de coordenador / Guillermo Legaria/GettyImages
facebooktwitterreddit

Todo fim de ciclo exige mudanças. Portanto, é natural que, além de Tite, outros profissionais deixem o estafe da seleção brasileira a partir de 2023.

Junto com o agora ex-treinador verde-amarelo saem, certamente, os auxiliares Cléber Xavier e Matheus Bachi. Mas vale ressaltar que a comissão técnica fixa do Brasil também é composta pelo auxiliar César Sampaio, o preparador físico Fábio Mahseredjian, o fisiologista Guilherme Passos e os analistas de desempenho Thomaz Koerich e Bruno Baquete. Como Tite promete um período sabático, ou seja, sem trabalhar, não se sabe ao certo o que será deste conjunto de pessoas.

Sobre Juninho Paulista, a tendência é de uma saída. Contratado em abril de 2019 como diretor de desenvolvimento da CBF, passou a ocupar o cargo de coordenador da seleção brasileira três meses depois, com a saída de Edu Gaspar. Ele mesmo diz desconhecer informações a respeito de seu futuro, mas como o presidente da confederação, Ednaldo Rodrigues, já promoveu uma recente 'limpa' em alguns setores da entidade, esta também deve chegar à seleção masculina. Pensa-se em uma composição de cargos mais enxuta, com a possibilidade de Andres Sanchez, ex-presidente do Corinthians, encabeçar esta hierarquia.

facebooktwitterreddit