Diversidade e inclusão

Mister, racismo não é moda e ‘racismo reverso’ não existe – Jorge Jesus se enforca em suas próprias palavras

Antonio Mota
Jorge Jesus perde chance de ficar calado ao falar sobre caso de racismo em partida da Champions League.
Jorge Jesus perde chance de ficar calado ao falar sobre caso de racismo em partida da Champions League. / Gualter Fatia/Getty Images
facebooktwitterreddit

Ex-Flamengo e hoje no Benfica, Jorge Jesus perdeu uma grande chance de ‘ficar calado’ ao comentar sobre o lamentável episódio de racismo que marcou a partida entre Paris Saint-Germain e Istanbul Basaksehir, no Parque dos Príncipes, na tarde da última terça-feira (8), pela 6ª rodada da fase de grupos da Champions League. Cabe lembrar que o duelo foi adiado e deve acontecer hoje.

Questionado sobre o acontecido, o Mister iniciou bem, disse que não tinha conhecimento sobre os fatos. Porém, depois, só se perdeu. Ou melhor, se mostrou. O racismo, mesmo estrutural, sempre mostra suas garras.  

"Não sei o que aconteceu, o que se falou, o que se disse. Está muito na moda isso do racismo. Como cidadão, tenho o direito de pensar da minha maneira. Só posso ter uma opinião concreta se souber o que se disse naquele momento", declarou, acrescentando:

Racismo inverso não existe, Mister.
Racismo inverso não existe, Mister. / Gualter Fatia/Getty Images

"Hoje, qualquer coisa que se diga contra um negro é sempre sinal de racismo, mas o mesmo a um branco já não é sinal de racismo. Está a implementar-se essa onda no mundo. Mas repito que não sei o que disseram."

completou Jorge Jesus.

Mister, racismo não está na moda, o que tem mudado é que hoje há mais revolta, mais repúdio, mais cobranças, mais divulgação, e é isso que vem mudando – mesmo lentamente – a sociedade em todo o mundo. E que se cobre e que aja mais revolta a cada ato racista. Não é possível tolerar esse tipo de ação.     

Uma outra observação: racismo reverso não existe, Jorge Jesus.   

facebooktwitterreddit