The Players' Tribune

Juninho recorda começo no Flamengo e explica mudança para o maior rival: “Sempre tive vontade de jogar no Vasco”

Redação 90min
Em carta ao The Players Tribune, volante vascaíno fala sobre seu amor pelo clube e exalta a Resposta Histórica contra o racismo
Em carta ao The Players Tribune, volante vascaíno fala sobre seu amor pelo clube e exalta a Resposta Histórica contra o racismo / Buda Mendes/GettyImages
facebooktwitterreddit

Em texto publicado no The Players’ Tribune, o volante Juninho exaltou a Resposta Histórica do Vasco, que completa 98 anos nesta quinta-feira. No documento, o clube se recusou a jogar a liga metropolitana do Rio de Janeiro de 1924 após a organização vetar seus jogadores negros e de origem humilde.

“Há 98 anos, o Vasco escrevia uma das páginas mais bonitas do futebol brasileiro. Com palavras simples, como estas que eu estou escrevendo agora, o clube mandou o papo reto: abandonou o principal campeonato da época por ser proibido de inscrever seus jogadores pretos, pobres e trabalhadores”, escreveu o jogador, antes de dizer por que se sente representado pela história do clube.

“Nem preciso dizer que me identifico com a história do Vasco. Se eu estou em campo hoje, vestindo essa camisa, é porque lá atrás os vascaínos compraram a briga para que pessoas como eu tivessem o direito de jogar futebol”, argumenta.

No texto, Juninho ainda relembra um episódio de racismo que sofreu na Bolívia, em 2020, num jogo contra o Oriente Petrolero, pela Copa Sul-Americana.

“Eu estava aquecendo quando escutei alguns sons diferentes vindos da arquibancada. Demorei a entender. Não era um torcedor. Era o estádio inteiro imitando macaco e fazendo uh uh uh para me provocar. Cara, eu nunca tinha vivenciado uma coisa dessas antes. Foi muito ruim, muito revoltante”, conta o volante.

Segundo Juninho, tanto a diretoria quanto jogadores e comissão técnica do Vasco prestaram o devido apoio naquele momento.

“Mas o Vasco não se calou. Na hora, todos os jogadores me defenderam. Inclusive, o Ricardo Graça, que é branco, foi um dos primeiros a reclamar com a arbitragem. A diretoria me deu apoio, denunciou os atos e fez um manifesto cobrando respeito. Também recebi muitas mensagens de solidariedade dos nossos torcedores. Não tem como ser Vasco e ser racista, impossível.”

Outro tópico abordado por Juninho na carta foi seu início no Flamengo. Ele jogou no time rubro-negro dos 9 aos 15 anos. Porém, acabou sendo formado e lançado pelo Vasco, realizando um sonho de infância. Para ele, os embates contra o Cruzmaltino na base eram um incentivo em busca da oportunidade de virar a casaca.

“Falando a verdade, enfrentar o Vasco era uma inspiração nessa época”, explica. “Meu primeiro jogo no campo pelo Flamengo foi justamente contra o Vasco, e eu marquei um gol de pênalti. Não era legal fazer gol em cima do time que eu torcia, mas, ao mesmo tempo, eu queria jogar bem, o melhor que podia, torcendo para que um dia o Vasco me chamasse, entendeu?”


Leia a carta completa de Juninho.

facebooktwitterreddit