Jogo entre PSG e Basaksehir é paralisado após ato racista; Times saíram de campo em protesto

Nathália Almeida
FBL-EUR-C1-PSG-BASAKSEHIR
FBL-EUR-C1-PSG-BASAKSEHIR / FRANCK FIFE/Getty Images
facebooktwitterreddit

Um episódio inaceitável e lamentável marcou a decisiva partida entre Paris Saint-Germain e Istanbul Basaksehir na tarde desta terça-feira (8). Válido pela sexta rodada da fase de grupos da UEFA Champions League 2020/21, o confronto acabou sendo paralisado ainda em seus primeiros minutos, e dificilmente terá seu desfecho dentro das quatro linhas.

Quando o cronômetro da partida ainda não tinha virado 10' do primeiro tempo, uma confusão de grandes proporções se iniciou no banco de reservas do Basaksehir, se espalhando de imediato para dentro das quatro linhas: membros da comissão técnica e jogadores do clube turco se indignaram com o comportamento do quatro árbitro da partida, que teria se dirigido a um dos profissionais da equipe com um termo pejorativo de cunho racista. Primeiras informações nas redes sociais dão conta que a ofensa foi direcionada a Pierre Webó, ex-jogador camaronês que hoje atua como assistente técnico do Basaksehir.

FBL-EUR-C1-PSG-BASAKSEHIR
FBL-EUR-C1-PSG-BASAKSEHIR / FRANCK FIFE/Getty Images

O episódio chegou ao conhecimento imediato dos atletas em campo, com o centroavante Demba Ba sendo um dos mais atuantes e firmes nas ponderações diretas ao quarto árbitro da partida, o romeno Sebastian Coltescu. Passados pouco mais de 10 minutos de muita discussão e revolta generalizada - aumentada após o juiz de campo, Ovidiu Hațegan, decidir por expulsar Demba Ba pelas falas acaloradas -, jogadores de Paris Saint-Germain e Istanbul Basaksehir decidiram por se retirar de campo, rumando juntos aos vestiários. Uma reação conjunta histórica, potente e necessária em resposta a um ato tão grotesco.

Em contato com a reportagem do Esporte Interativo, o lateral brasileiro Rafael, do Istanbul Basaksehir, confirmou que a ofensa racista à Webó partiu do quarto árbitro Sebastian Coltescu. Fontes dão conta de que a UEFA insiste pela retomada da partida mas, até o fechamento deste artigo, jogadores da equipe turca ainda seguiam nos vestiários e inclinados a não voltar a campo.

* mais informações em instantes

facebooktwitterreddit