Futebol Internacional

Final da Liga Europa: 5 vezes em que as torcidas 'invadiram' um estádio e fizeram a diferença

Bia Palumbo
Um mar de torcedores alemães no Camp Nou gerou polêmica entre  diretoria e até o técnico Xavi, do Barça, reclamou
Um mar de torcedores alemães no Camp Nou gerou polêmica entre diretoria e até o técnico Xavi, do Barça, reclamou / David Ramos/GettyImages
facebooktwitterreddit

Sevilla é o palco do confronto entre Eintracht Frankfurt e Rangers, que disputam nesta quarta-feira (18) o título da Liga Europa, a segunda competição mais importante do Velho Continente. O clube escocês luta pela conquista inédita e o alemão busca o bicampeonato - inclusive tem boas recordações da última vez que esteve na Península Ibérica.

Em um dos momentos mais marcantes desta edição do torneio, a torcida do Frankfurt chamou a atenção ao ocupar grande parte das arquibancadas do Camp Nou, sendo que a cota para visitantes era de 5 mil, porém eles eram cerca de 30 mil, algo que surpreendeu inclusive o técnico Xavi e empurrou o time a vencer o Barcelona por 3 a 2. A principal hipótese é que os alemães compraram entradas em revendas. Há quem diga que outros ganharam de sócios do clube catalão ou que aconteceu um descuido do Barça ao vender os bilhetes.

"Não nos ajudou a atmosfera do estádio. Parecia uma final em campo neutro. O clube deve estar checando o que aconteceu."

Xavi, técnico do Barcelona

"Sentimos muito, ficamos constrangidos. O clube não é culpado dessas ações irregulares que vão fazer com que esses ingressos entrem no mãos dos torcedores alemães. Mas nós assumimos a responsabilidade por eles. Quem me conhece sabe que eu sempre assumo a responsabilidade e procuro soluções. Não queremos que isso aconteça novamente no Barça e vamos agir."

Joan Laporta, presidente do Barcelona

Relembre outras ocasiões em que as torcidas praticamente dominaram o estádio rival

1. Fluminense x Corinthians

O caso mais famoso do futebol brasileiro virou enredo do filme "1976, o ano da Invasão Corinthiana", de Ricardo Aidar e Alexandre Boechat, quando cerca de 50 mil torcedores do time paulista foram para o Rio de Janeiro acompanhar a semifinal do Campeonato Brasileiro de 1976 no icônico Maracanã, que segundo registro de jornais da época recebeu um público de aproximadamente 140 mil pessoas naquela ocasião. Carlos Alberto Pintinho abriu o placar aos 18 minutos e Ruço empatou para o time do técnico Duque. O resultado levou para os pênaltis, então o tricolor carioca que tinha no elenco nomes como Carlos Alberto Torres, Doval e Edinho, além do ídolo alvinegro Rivellino, perdeu nos pênaltis por 4 a 1.

2. Criciúma x Grêmio

O Grêmio de Adilson Batista lutava contra o rebaixamento no Campeonato Brasileiro em 2003, então na rodada 44 o adversário era o Criciúma e a torcida fez a parte dela e rumou para o Sul Catarinense com destino ao Estádio Heriberto Hülse, distante quase 300km de Porto Alegre, Valeu a pena: os tricolores gaúchos eram maioria e cerca de 10 mil torcedores acompanharam o 2 a 0 construído com gols de George Lucas e Christian.

3. Flamengo x River Plate

A final da Libertadores em jogo único realizada no Estádio Monumental "U" era em campo neutro, mas quando a bola rolou em Lima a impressão era de que os rubro-negros criaram o ambiente do Maracanã em plena capital do Peru, mesmo com a distância de cerca de 4.800km entre o Rio de Janeiro e a maior cidade do país, os flamenguistas se empolgaram com a equipe comandada por Jorge Jesus e tomaram um susto quando Rafael Borré abriu o placar aos 14 minutos de jogo, mas depois Gabigol virou para 2 a 1.

4. Liverpool x Milan

Outra história que extrapolou as quatro linhas e ganhou as telonas foi "One Night in Istambul ("Uma noite em Istambul", em tradução livre)", o jogo conhecido como "milagre de Istambul" que decidiu o título da Champions League em 2005. Comandados por Carlo Ancelotti, os italianos abriram 3 a 0 no primeiro tempo, com Maldini e Hernán Crespo (2), porém a equipe inglesa que tinha Rafa Benítez no elenco conseguiu virar graças ao apoio dos torcedores que cantaram a plenos pulmões no Estádio Olímpico Atatürk, então os Reds anotaram três gols num intervalo de seis minutos, com Gerrard, Smicer e Alonso (pênalti), e o resultado levou a partida para os pênaltis. Serginho, Pirlo e Schevchenko perderam no lado rubro-negro, enquanto o rival teve quase 100% de aproveitamento - somente Riise desperdiçou a cobrança.

5. Corinthians x Chelsea

O ano de 2012 está eternizado na memória do torcedor corintiano pela conquista inédita da Libertadores diante do Boca Juniors e o Mundial de Clubes. A Fiel então se mobilizou para ir até o Japão e aquela equipe comandada pelo técnico Tite que teve Paolo Guerrero inspirado no torneio superou Al-Ahly (Egito) e Chelsea (Inglaterra) para levantar a sonhada taça.

facebooktwitterreddit