Opinião

Favoritos? Salah e Lewandowski fazem início de temporada digno de Bola de Ouro

Lucas Humberto
Mo Salah brilhou contra o Manchester City
Mo Salah brilhou contra o Manchester City / Robbie Jay Barratt - AMA/Getty Images
facebooktwitterreddit

Ponto alto da temporada em termos de premiações individuais, a Bola de Ouro costuma proporcionar algumas das discussões mais calorosas do ano. Entre argumentos pautados por dados estatísticos, análises táticas profundas e o simples gosto pessoal, a arena dos debates pode ir rapidamente de razão para emoção.

Robert Lewandowski Bundesliga Bayern de Munique Mo Salah Bola de Ouro
Camisa 9 do Bayern de Munique é um dos mais letais do futebol mundial / CHRISTOF STACHE/Getty Images

No entanto, dentre tantas alegações divergentes, um ponto parece ser imutável: a necessidade de protagonismo. Embora a validade de alguns vencedores possa ser questionada e outros sequer são lembrados hoje, é impossível faturar a premiação sem estar no centro dos holofotes da modalidade, por mais subjetiva que essa questão seja.

Diante do cenário, não há outros jogadores tão merecedores quanto Mohamed Salah e Robert Lewandowski. Pelo menos por enquanto. O egípcio, aliás, não satisfeito com o constante papel de herói no Liverpool, parece ter tomado gosto pela superação de marcas históricas na Premier League. Recentemente, ele passou a ser um dos integrantes do seleto grupo dos 100.

Pouco longe dali, mais precisamente nos gramados da Alemanha, o polonês atingiu um nível tão alto de futebol praticado que é raro quando ele não marca na Bundesliga. As partidas nas quais Lewandowski não deixa um gol ou assistências são eventos destaque midiático - quase uma zebra...

Em termos numéricos, para os fãs mais fiéis das estatísticas, a dupla não deixa a desejar: Salah participou diretamente de 12 gols (nove tentos + três assistências) em nove jogos da temporada. Lewa, por sua vez, acumula 14 participações (13 tentos + uma assistência) em 10 oportunidades. Há times inteiros que não marcaram essa quantidade de gols.

Como a temporada europeia ainda é uma criança, é cedo para cravar favoritismos na Bola de Ouro, principalmente pela gama de grandes jogadores que certamente vão brilhar nos próximos meses. No entanto, o início do ano futebolísticos dos atacantes não pode ser encarado como comum. Há qualidade, protagonismo e uma dose de raridade digna de premiação individual.

facebooktwitterreddit