Fora do Campo

Emissora britânica revela novas evidências de corrupção envolvendo Abramovich; saiba mais

Fabio Utz
Bilionário precisou colocar o Chelsea à venda após sanções britânicas
Bilionário precisou colocar o Chelsea à venda após sanções britânicas / Marc Atkins/GettyImages
facebooktwitterreddit

A cada dia que passa, Roman Abramovich precisa se explicar ainda mais. Segundo investigação da BBC, existem novas evidências a respeito de acordos corruptos firmados pelo empresário russo.

A origem de sua fortuna está na compra da companhia de óleo chamada Sibneft, ex-estatal russa, em meados do anos 1990. À época, ele pagou US$ 250 milhões, sendo que a empresa foi vendida 15 anos depois por US$ 13 bilhões.

De acordo com a emissora britânica, Abramovich admitiu à Justiça que fez pagamentos ilícitos ao longo do processo de leilão, repassando US$ 10 milhões para subornar um oficial do governo. Um documento, antes guardado por forças policiais, dá conta de que o poder russo foi enganado em US$ 10 bilhões no acordo. O mesmo ainda sugere que o empresário foi protegido pelo antigo presidente da Rússia, Boris Yeltsin.

Os advogados de Abramovich garantem não haver base legal para as acusações. O empresário, em função de sua ligação com o atual comandante do país do leste europeu, Vladimir Putin, recebeu sanções por parte do Reino Unido na semana passada. Seus investimentos foram congelados, e ele foi desqualificado, pela Premier League, do posto de diretor do Chelsea. As sanções, inclusive, ameaçam o futuro do clube.

facebooktwitterreddit