Brasileirao Série A

Em noite de Johnny, Inter dá o tom no clássico e aumenta o drama do Juventude no Brasileirão

Bia Palumbo
Johnny marcou duas vezes no clássico contra o Juventude
Johnny marcou duas vezes no clássico contra o Juventude / Alex VIana/Agencia F8/Gazeta Press
facebooktwitterreddit

Alô, G-4! O Internacional voltou ao pelotão de elite do Brasileirão nesta segunda-feira (29), quando derrubou o Juventude em Porto Alegre, construindo uma vitória categórica, a terceira consecutiva, e passou o quarto jogo sem sofrer gols. E justamente com a camisa em alusão ao estado do Rio Grande do Sul ampliou para 14 anos o tabu diante do rival, que não consegue vencer no estádio Beira-Rio desde fevereiro de 2008.

Outro destaque da partida foi Edenilson, que ouviu vaias quando a escalação foi anunciada e começou no banco, mas sofreu e converteu um dos pênaltis marcados a favor do Colorado.

O Ju começou marcando muito, mas logo o Inter conseguiu se adaptar e adiantou as linhas, então controlou as ações, avançando principalmente com Mauricio e Wanderson, que logo aos 16 minutos de jogo quase abriu o placar, mas Pegorari espalmou. Enquanto isso a equipe jaconera mal conseguia passar do meio de campo. Isolado, Isidro Pitta voltava para buscar o jogo.

E a insistência colorada deu resultado quando De Pena cobrou escanteio pela esquerda e levantou na medida para Johnny, que cabeceou no canto direito de Pegorari, que mal se mexeu, e ainda caiu sentado.

Depois do gol o lanterna do campeonato chegou mais. Logo no primeiro ataque Felipe Pires recebeu livre dentro da área, porém chutou fraco e Daniel encaixou. Em mais uma chegada pelo lado esquerdo, Bruno Nazário chutou torto e a bola foi na arquibancada.

E a falta de pontaria dos visitantes deixou o time numa situação ainda pior quando Wanderson lançou Alemão na área, Paulo Miranda tentou cortar mas acertou a perna do atacante. Inicialmente o árbitro mandou seguir, mas o VAR Wagner Reway chamou e então Bruno Arleu de Araújo deu o pênalti após rever a jogada no monitor. De Pena foi para a bola e Pegorari defendeu, mas no rebote Wanderson foi mais rápido que a defesa e ampliou a vantagem.

O Inter voltou do intervalo a todo vapor e logo aos três minutos fez o terceiro, em mais uma chegada de Wanderson pela esquerda, que cruzou para Johnny cabecear novamente para o fundo do gol.

Vitão quase transformou a vitória em goleada ao escorar mais um escanteio cobrado por De Pena. O zagueiro subiu na primeira trave e tocou para o fundo da rede, mas a arbitragem anulou o gol porque viu falta de Wanderson ao subir para dividir com o goleiro. A princípio ele não deu nada, mas foi alertado pela equipe de cabine e novamente mudou de decisão ao checar no monitor à beira do gramado. E ainda deu tempo de Edenilson, que também saiu do banco, sofrer e converter o pênalti que definiu o placar nos acréscimos.

"Tem que continuar trabalhando. A desclassificação é difícil para todo mundo, a gente sabe que o peso vai cair para quem está há mais tempo, o torcedor está com a gente, mas o grupo sabe e soube crescer depois da eliminação e tem demonstrado muita resiliência e superação. A equipe está de parabéns pelo que fez. Temos quase uma semana para trabalhar. Um passo de cada vez, pensando sempre em subir na tabela."

Edenilson, meio-campista do Inter

Pegorari ainda evitou um placar elástico ao defender finalizações de Alemão, Taison e Pedro Henrique, sendo que os dois últimos entraram no segundo tempo.

"Só tenho que pedir desculpas ao torcedor. Não tem muito o que falar, a gente tem que trabalhar bastante para correr atrás dos resultados e tentar reverter isso."

Moraes, lateral do Juventude
facebooktwitterreddit