Flamengo

Em negociação com o Flamengo, Oscar 'viraliza' foto vazada vestindo a camisa do clube – veja

Lucas Humberto
Imagem viralizada nas redes nesta segunda, 1, encheu a Nação de esperança
Imagem viralizada nas redes nesta segunda, 1, encheu a Nação de esperança / STR/GettyImages
facebooktwitterreddit

Para delírio da Nação, a imagem de Oscar vestindo a camisa do Flamengo é real. A foto começou a circular nas redes sociais nesta segunda-feira, 1 de agosto. O meia está no Brasil com a família enquanto aguarda o desfecho das conversas junto ao Shanghai SIPG, da China. Jogador e Rubro-Negro, vale ressaltar, estão de mãos atadas neste estágio das tratativas.

E a explicação é bem simples: o rumo do negócio não depende diretamente do Mais Querido. Oscar está vinculado ao clube asiático até 2024, e os cariocas já evidenciaram que não há como pagar pela cessão por empréstimo. Diante disso, o empresário Giuliano Bertolucci busca convencer o Shanghai a permitir que o experiente atleta defenda outra equipe até o final deste ano.

Oscar recebeu aval dos chineses para permanecer no Brasil em 2022 para acompanhar sua esposa, que está grávida. Ele, contudo, não poderia atuar por outro clube. Algo que, claro, não impediu o crescente assédio. Por isso, Bertolucci tenta transformar o período de liberação em possibilidade de mercado. Mas, do outro lado, o Shanghai não mostra maleabilidade.

Desde o início, o Flamengo esteve à frente dos concorrentes pela boa relação com o empresário. Foi então que o cartola Marcos Braz entrou em ação com ligações quase diárias para o meia de 30 anos. Internamente, há convicção de que o brasileiro irá desembarcar na Gávea caso seja liberado. A estratégia, vale lembrar, funcionou com Cebolinha.

Oscar recebe cerca de 22 milhões de euros (R$ 116 mi) livres de impostos por temporada na China (aproximadamente R$ 10 milhões por mês). Para vestir o manto rubro-negro, o jogador aceitou reduzir os vencimentos até um valor próximo dos salários de Gabriel e Arrascaeta, os maiores do elenco. As cifras representam pouco mais de 10% de seu contrato com os asiáticos.

facebooktwitterreddit