Copa Libertadores

É pressão! Presidente do Galo promete "volta" ao Boca por conta de mau tratamento recebido em Buenos Aires

Fabio Utz
Time argentino teve um gol anulado na Bombonera
Time argentino teve um gol anulado na Bombonera / Marcelo Endelli/Getty Images
facebooktwitterreddit

Quem nunca ouviu a famosa frase: Libertadores sem pressão não é Libertadores. Pois o presidente do Atlético-MG, Sérgio Coelho, gravou um depoimento nesta quinta-feira prometendo volta ao que ele e a delegação do Galo encontraram na Argentina, diante do Boca Juniors.

Segundo o dirigente, houve uma "decepção total" com tudo o que envolveu a partida de terça-feira - empate em 0 a 0, na Bombonera. E quando ele fala "tudo", é tudo mesmo. Desde a recepção, até o tratamento dado a jogadores e comissão técnica e a forma como a anulação de um gol do rival repercutiu em Buenos Aires e junto à Conmebol.

""Acreditamos na Conmebol, na isenção da Conmebol, e pedimos publicamente que eles indiquem um árbitro de primeira linha, que venha apitar sem ter o peso da pressão que vem sendo feita", disse."

Sérgio Coelho, presidente do Atlético-MG

Segundo ele, o Boca passará pela mesma situação de "pressão" no Brasil. "Não fomos recebidos conforme a gente esperava e como é de costume. (...) Eles serão recepcionados da mesma forma que eles nos receberam. Exatamente igual", disse Sérgio Coelho. Quem vencer o duelo da próxima terça, no Mineirão, estará nas quartas de final do torneio continental. Novo empate sem gols leva a partida para os pênaltis, e qualquer outra igualdade dá a vaga aos xeneizes.

Para mais notícias do Atlético Mineiro, clique aqui.

facebooktwitterreddit