Douglas Costa revela batalha pessoal ao The Players' Tribune: "Será que eu realmente devo jogar este esporte?"

Rodrigo Salomao
Juventus v ACF Fiorentina - Serie A
Juventus v ACF Fiorentina - Serie A / TF-Images/Getty Images
facebooktwitterreddit

Talento, experiência de Copa do Mundo e títulos a perder de vista. O currículo de Douglas Costa dentro do futebol é de dar inveja a muitas estrelas por aí. O atacante revelado no Grêmio, que viveu seu auge no Bayern de Munique, vem travando uma batalha pessoal para voltar aos dias de glória na Juventus.

Hellas Verona v Juventus - Serie A
Hellas Verona v Juventus - Serie A / Alessandro Sabattini/Getty Images

A convivência com as lesões, cada vez mais constantes nos últimos tempos, incomodam e muito o atleta. Ao conversar com The Players' Tribune, Douglas abriu o jogo sobre a sua situação:

"Brincando com o Alex Sandro, que joga comigo, eu falei 'cara, eu tenho mais ressonância do que presença em campo'. (...) O pessoal fala 'o Douglas tem potencial pra ser um dos melhores do mundo, mas as lesões atrapalham'. Isso me incomoda de fato. Você tem o potencial de ser um cara gigantesco e acaba que, por culpa minha ou não, eu não sei, não sei te dizer hoje, não consigo estar no topo. Isso acaba às vezes me incomodando", admitiu.

O desespero para voltar a atuar em alto nível era tamanho que o jogador recorreu até mesmo a um auxílio comportamental, para investigar se algo além do perceptível estava afetando a questão física:

"Quando as lesões apareciam eu falava: 'o que estou fazendo de errado?'. Eu ficava me perguntando o que estava fazendo de errado, por que eu não estava rendendo, sem conseguir ter sequências nisso. Isso acabava me machucando, procurei vários tipos de ajuda. Já ouviu falar em coach mental? Não é uma psicóloga, mas é uma pessoa que acaba trazendo às vezes coisas da tua infância que afetam no seu 'eu' hoje. "

Douglas Costa

Das 37 partidas da Juve em 2019/20, Douglas ficou de fora de mais da metade. O atleta esteve em campo em 18 oportunidades, totalizando 679 minutos jogados. Uma média de 37 minutos por partida. Contexto que já o levou até mesmo a repensar a carreira:

"Tem momentos que você se pergunta 'será que eu realmente devo jogar este esporte?'. Porque eu jogo, machuco, jogo, machuco...depois você acaba olhando na TV e vê aquela paixão antiga. Aí eu penso 'aquilo ali eu também faço'. Então é isso que me mantém vivo. Eu vou seguir porque tenho possibilidade de fazer essa coisa. Porque várias vezes quando você vai, bate, bate, bate, se machuca, você pensa 'chega, né?'. A questão não é financeira, a questão já não é mais ter o triplo de fama. É fazer aquilo que você gosta com prazer, basicamente aquilo", concluiu.

O vídeo completo da conversa com Douglas Costa você poderá conferir nesta terça-feira, 26 de maio, em The Players' Tribune. Não perca!

Quer saber como se prevenir do coronavírus? #FiqueEmCasa e clique aqui.

facebooktwitterreddit