Copa América

Cuidado com os convidados: Honduras, a inesquecível surpresa da Copa América de 2001

Fabio Utz
Honduras x Brasil
Honduras x Brasil / Doug Pensinger/Getty Images
facebooktwitterreddit


No tradicional futebol 5 contra 5 do final de semana, volta e meia, um ou dois jogadores acabam faltando. Sempre aquele que veste a número 10 convida um "desconhecido" para completar a lista. Com tudo pronto, a bola rola, e os sorrisos, também. Em meio a gritos de raiva entre amigos, a sirene toca, a partida chega ao fim e os atletas caem no sintético, cansados. "É craque", dizem os amigos a respeito daquele "estranho" que acabou vencendo a "pelada". Algo semelhante aconteceu na Copa América de 2001...

Por motivos de segurança, a Argentina decidiu se ausentar do torneio, e a seleção de Honduras entrou como convidada da América Central. Pois o país deixou a Colômbia, sede da disputa, com o terceiro lugar na única oportunidade em que que participou da competição de seleções mais antiga do mundo.

Lisandro Flores Guillen, presidente da FENAFUTH, simplesmente afirmou ao saber que a sua equipe tinha lugar no torneio: “Vamos participar”. E acrescentou que os espectadores seriam presenteados com uma boa seleção. Ele também destacou, que na decisão, pesou o “além do futebol”. Na sua visão, era importante que “o povo hondurenho contribuísse para a paz e alegria do povo colombiano”.

E assim foi. Apesar de ter começado o Grupo C com o pé esquerdo contra a Costa Rica (0x1) e ampliado a tese de que seria o primeiro time a voltar para casa, rompeu com todos os preconceitos: vitória sobre Bolívia e Uruguai e segundo lugar assegurado. O pior rival iria tocá-lo nas quartas de final, mas não houve pressão que os impedisse de jogar. O poderoso Brasil, que defendia o título, seria o obstáculo a ser vencido. O encontro foi dominado pelos rivais, mas em nenhum momento - independentemente das modificações ofensivas que Luiz Felipe Scolari fez - eles conseguiram reverter em gols essa pressão. "Los Catrachos" se utilizaram do contra-ataque como uma arma letal e ganharam por 2 a 0 para ir às semifinais.

No confronto que valia vaga na decisão, acabaram superados pelos colombianos, que viriam a ser os campeões. Porém, os hondurenhos ainda conseguiriam mais um feito. Em um El Campín (Bogotá) lotado, garantiram o 2 a 2 frente ao Uruguai e ficaram com a medalha de bronze após as cobranças de pênaltis. O time nunca mais foi chamado para jogar a Copa América. No entanto, deixou o seu recado. Um dia, vai voltar... Será?

A base de time de Honduras na Copa América de 2001

Noel Valladares; Limbert Pérez, Ninrrod Medina, Samuel Caballero, David Cárcamo e Ricky García; Julio César de León, Robel Bernárdez e Elvis Danilo Turcios; Amado Guevara (capitão) e Saúl Martínez. Técnico: Ramón Maradiaga.

facebooktwitterreddit