Opinião

Corinthians perde mais do que ganha ao pensar em Diego Costa

Lucas Humberto
Apesar da qualidade inquestionável, centroavante custaria muito em termos físicos e financeiros ao Corinthians
Apesar da qualidade inquestionável, centroavante custaria muito em termos físicos e financeiros ao Corinthians / DOUGLAS MAGNO/GettyImages
facebooktwitterreddit

Resta uma peça para o Corinthians ter seu elenco completamente fechado pensando na extensa lista de compromissos de 2022. Infelizmente, dar um rosto ao potencial camisa 9 do Timão tem sido tão difícil quanto esperado. Qualidade ímpar, impacto inicial e viabilidade financeira. Parece que os cartolas alvinegros estão em busca de um unicórnio.

Depois de Edinson Cavani, Diego Costa teve seu nome ligado ao Parque São Jorge, segundo informações do jornalista Jorge Nicola. A possibilidade de negociação cumpre dois dos três requisitos e ainda adiciona outro: satisfaz comissão técnica e diretoria numa só tacada. Pena que o imbróglio central, por si só, seja capaz de travar todo o restante da conversa: dinheiro.

Willian Diego Costa Corinthians Atlético-MG Chelsea
Diego Costa e Willian no Chelsea / Tony Marshall/GettyImages

Conforme apuração da Gazeta Esportiva, o Atlético-MG não pretende liberá-lo para nenhum clube brasileiro. Isso significa que, para tirá-lo de Belo Horizonte, será necessário arcar com multa rescisória de aproximadamente R$ 16 milhões, além de oferecer um salário que ultrapasse R$ 1 milhão por mês.

Se os desencontros financeiros não são motivo suficiente para a Fiel esquecer as embrionárias tratativas, as questões físicas certamente serão. Dá para imaginar o centroavante de 33 anos conseguindo atuar com maestria nos múltiplos (e extenuantes) compromissos do calendário brasileiro? A experiência adquirida ao longo de uma longa carreira sempre cobra seu preço.

Qualidade ímpar, impacto inicial, inviabilidade financeira e inconstância física. No balanço de prós e contras, empate. Acontece que, para quem tem dívidas próximas de R$ 1 bilhão, uma aposta desse nível nunca é tão simples assim. Se o desfecho da contratação for positivo, departamento médico e financeiro terão de operar verdadeiros milagres. Não é sempre que um unicórnio entra em pauta.

facebooktwitterreddit