Copa do Mundo 2022

Copa do Mundo: 4 camisas 4 marcantes na história das Copas

Wéverton Rodrigues
Carlos Alberto Torres ganhou apelido de Capita por atuação no Mundial de 1970
Carlos Alberto Torres ganhou apelido de Capita por atuação no Mundial de 1970 / CHRISTOPHE SIMON/GettyImages
facebooktwitterreddit

Os olhos do mundo todo estarão voltados para o Catar pela Copa do Mundo que acontece entre novembro e dezembro deste ano. O pontapé inicial está marcado para daqui a quatro meses - dia 21 de novembro - e, pensando nisso, o 90min usa esse número eternizado na carreira de alguns craques para entrar no clima do Mundial que promete ser um dos mais disputados da história. Confira!

1. Nobby Stiles - Inglaterra 1966


Ídolo do Manchester United, o ex-defensor Nobby Stiles, falecido em 2020 em decorrência de um câncer de próstata, conquistou o Mundial em 1966, único título de seu país em Copas do Mundo. Ele ainda conquistaria a Champions League de 1967/1968 como jogador dos Diabos Vermelhos e conquistou a Excelentíssima Ordem do Império Britânico (Most Excellent Order of the British Empire, em inglês).

2. Carlos Alberto Torres - Brasil 1970


Na edição seguinte da Copa do Mundo, a Seleção Brasileira foi a grande protagonista no México, onde sagrou-se tricampeã. Pilar defensivo naquele ano, o lateral-direito que também atuou na zaga ao longo da carreira era o nome de confiança de Mário Jorge Zagallo para cuidar da faixa de capitão. A imagem do jogador levantando a taça ficará para sempre marcada na memória, tanto que ganhou o apelido de Capita, depois trabalhou como técnico e comentarista e faleceu em 2020.

3. Hans-Georg Schwarzenbeck - Alemanha 1974


Tricampeão da Champions pelo Bayern de Munique, o alemão disputou todas as partidas quando compôs o elenco vencedor em 1974. O defensor se destacou não como uma grande estrela, mas como uma peça muito eficiente de um sistema de engrenagens. Ele ainda foi campeão da Bundesliga em seis oportunidades com o time de Munique (1969, 1972, 1973, 1974, 1980, 1981) e pela Seleção somou 44 jogos no total, segundo site oficial do time alemão.

4. Gamarra - Paraguai 1998


Apesar de não ter sido campeão mundial, o paraguaio é um dos jogadores que certamente honraram a posição. Com passagens por Palmeiras, Corinthians e Internacional, ele foi eleito o melhor zagueiro da Copa disputada em solo francês e inclusive passou o tempo todo sem cometer uma falta sequer. Os seus 1,77m de altura não o impediam de se sobressair na zaga, mostrando grande regularidade no setor defensivo. Os poucos cartões também eram uma marca frequente de sua carreira.

facebooktwitterreddit