Opinião

Com texto pacificador, Cristiane reforça que sua grandeza transcende as quatro linhas

Nathália Almeida
Cristiane utilizou suas redes sociais para sair em defesa de companheiras de Seleção
Cristiane utilizou suas redes sociais para sair em defesa de companheiras de Seleção / Brad Smith/ISI Photos/Getty Images
facebooktwitterreddit

Ausência mais sentida pelos torcedores na lista de 18 convocadas para a disputa das Olimpíadas, Cristiane deu uma aula de civilidade na última segunda (21), quando usou uma de suas redes sociais oficiais para se dirigir ao público que acompanha e torce pelo futebol feminino. Usando palavras firmes - porém muito necessárias -, a craque do Santos e da Seleção Brasileira pediu mais reflexão e moderação nos comentários acalorados a respeito de sua ausência na relação final de Pia Sundhage, reforçando que todas as atletas convocadas merecem respeito.

"Pessoal, queria pedir um favor a todos que me seguem aqui. Não desmereçam o trabalho de algumas atletas para enaltecer o de outras. Escolhas e decisões não são nossas. Trabalhamos arduamente para alcançar nossos objetivos e conquistas. Fazemos tudo e um pouco mais por melhorias e crescimento da modalidade. Então, não é justo que uma atleta seja obrigada a ler um monte de m**** e ainda ficar calada. Não gosta dela ou do seu futebol, não a ofenda, não desmereça sua luta. É só não seguir e não acompanhar. E quando acharem que têm direito a opinar sobre algo, tenha certeza absoluta do que você está falando. Torçam e acreditem naquilo o que ela é capaz", publicou.

cristiane selecao brasileira feminina
Cristiane, uma inspiração para todos que amam o esporte / Alex Grimm/Getty Images

Este gesto de respeito é mais uma prova, dentre as tantas que já testemunhamos desde que começamos a acompanhar sua carreira, que a camisa 11 é de uma grandeza que transcende as quatro linhas. Além de ser uma centroavante espetacular e uma atleta fora de série - segue em alto nível técnico e físico aos 36 anos de idade -, Cristiane é um ser humano diferenciado por sua empatia: em cada entrevista e em cada posicionamento, fica fácil perceber que sua preocupação genuína sempre envolve o coletivo, o bem e o desenvolvimento da modalidade. E isso, no fim das contas, é o maior legado da maior goleadora da história das Olimpíadas: os tentos, os títulos e as artilharias inspiram e estão eternizados, mas nada se compara ao altruísmo por amor ao esporte.

facebooktwitterreddit