Futebol brasileiro

Com saldo positivo no mercado, Atlético-MG encara o Flamengo tão embalado quanto encerrou 2021

Lucas Humberto
Manutenção da base campeã credencia o Galo ao título da Supercopa do Brasil
Manutenção da base campeã credencia o Galo ao título da Supercopa do Brasil / Buda Mendes/GettyImages
facebooktwitterreddit

Entre polêmicas, provocações e uma crescente rivalidade interestadual, Atlético-MG e Flamengo prometem muito na Supercopa do Brasil. A partida irá colocar frente a frente dois dos três protagonistas da última temporada, com um especial adendo: ambos mantiveram o cerne das suas respectivas bases, ou seja, mesmo diante de perdas significativas - Junior Alonso, por exemplo - foram contratadas reposições de qualidade - Diego Godín que o diga...

A única exceção talvez fique por conta de Diego Costa. Mas convenhamos: apesar do status de jogador internacional, o centroavante nunca teve papel indispensável no Galo, certo? Quem realmente é insubstituível, ficou. E quem deveria chegar para ter papel importante nos próximos meses, também chegou. Ademir, após janelas e janelas se segurando para não pular o muro, finalmente conseguiu: era Coelho, hoje é Galo.

Atlético-MG Flamengo Supercopa do Brasil
Galo manteve a base campeã / HEULER ANDREY/GettyImages

O saldo no mercado de transferências só não pode ser considerado mais positivo devido ao adeus de Cuca. De qualquer forma, a base do clube que quebrou marcas, conquistou o Brasil e caiu da Libertadores sem perder permanece a mesma. Entrosada, confiante e capaz de encarar de frente qualquer adversário em âmbito nacional. Resta saber qual será o resultado de Antonio El Turco Mohamed em seu primeiro grande teste no futebol brasileiro.

facebooktwitterreddit