Opinião

Com Balbuena, Vítor Pereira enfim "dança conforme a música" no Corinthians

Lucas Humberto
De volta ao elenco alvinegro, o General garante opções suficientes para Vítor Pereira se reinventar na defesa
De volta ao elenco alvinegro, o General garante opções suficientes para Vítor Pereira se reinventar na defesa / Alexandre Schneider/GettyImages
facebooktwitterreddit

Fabián Balbuena é do Corinthians. Aos 30 anos, o zagueiro chega por empréstimo do Dínamo de Moscou, da Rússia, por uma temporada. Em sua primeira passagem pelo Parque São Jorge, o paraguaio conquistou o Brasileirão de 2017 e o bicampeonato paulista (2017 e 2018). Foram 136 partidas, 11 gols marcados, muita raça em campo, respeito da Fiel e o apelido de general.

E assim ele retorna. Com a moral de um agregador em níveis de liderança, experiência, identificação é técnica. Em suma, um titular para ninguém colocar defeito. Mas, diante da contratação, surge outro questionamento: qual será o outro lado da dupla? Gil, em toda sua experiência mas nem tanta velocidade? Raul Gustavo, em toda sua disposição mas de pouco juízo?

Bruno Méndez? Apostar de vez no talentoso Robert Renan? E a resposta é: depende. Se tivesse que eleger apenas um, citaria Gil. A mais completa das opções, claro. Mas se Vítor Pereira quiser investir em linhas altas, Raul Gustavo. A saída de bola talvez seja hoje a maior aliada do camisa 34. A parte mental, por outro lado, é a grande armadilha.

A chegada de Balbuena vai muito além de um reforço pontual. Ela significa que, enfim, Vítor Pereira vai poder dançar conforme a música. Ou as músicas, no caso, visto que estamos tratando de três competições diferentes. No Parque São Jorge, o General está em casa. E agora será difícil deixá-lo sair novamente...

facebooktwitterreddit