Brasileiro Série B

Caso Celsinho: mesmo após racismo, Brusque recupera pontos e muda briga contra o rebaixamento na Série B

Daniel Farias
Atleta do Londrina foi ofendido por dirigente do clube catarinense
Atleta do Londrina foi ofendido por dirigente do clube catarinense / Isaac Fontana/FramePhoto/Gazeta Press
facebooktwitterreddit

Há cerca de três meses, um caso triste ganhou destaque na Série B do Brasileirão. Na partida entre Brusque e Londrina, válida pela 21ª rodada da competição, o jogador Celsinho, do Londrina, afirmou ter sofrido racismo por parte do presidente do Conselho Deliberativo do Brusque, Júlio Antônio Petermann.

Os episódios seguintes (súmula do árbitro e pedido de desculpas do Brusque) apenas confirmaram o caso. O dirigente chegou a ser, inclusive, afastado pelo clube.

Em um primeiro julgamento, ocorrido no dia 24 de setembro, o Brusque foi punido com a perda de três pontos na tabela de classificação e uma multa de R$ 60 mil. O dirigente também sofreu punições: multa de R$ 30 mil e suspensão de 360 dias.

O caso já não era mais tão comentado como foi nos meses de agosto e setembro, mas voltou à tona nesta quinta-feira (18). A razão disso foi um novo julgamento, realizado pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD).

A decisão tomada foi a de que o Brusque recuperaria os três pontos perdidos anteriormente. Com isso, o clube atinge a marca de 44 pontos e assume a 14ª colocação da Série B.

O julgamento foi definido através de uma votação que avaliaria se o recurso solicitado pelo Brusque seria aceito ou não. A votação foi encerrada com seis votos favoráveis ao recurso e dois contrários. Em contrapartida, o órgão definiu uma nova forma de punição à equipe: perda de um mando de campo em jogo de torneio nacional e multa de R$ 60 mil.

facebooktwitterreddit