Copa do Brasil

Bicampeão! Atlético-MG ignora Arena lotada, vence Furacão e conquista Copa do Brasil

Nathália Almeida
Galo não quis saber da Arena da Baixada lotada e voltou a vencer
Galo não quis saber da Arena da Baixada lotada e voltou a vencer / Robson Mafra/ Agif/Gazeta Press
facebooktwitterreddit

Implacável. Inapelável. Forte e vingador. Depois de encerrar uma seca de 50 anos sem títulos na Série A do futebol brasileiro, o Atlético-MG completou a "temporada dos sonhos" para seu torcedor na noite desta quarta (15), vencendo o Athletico-PR por 2 a 1 na Arena da Baixada e confirmando a conquista do segundo título de Copa do Brasil de sua história. Os gols da partida em Curitiba foram anotados por Keno e Hulk, duas das principais estrelas da companhia, com Jaderson descontando para o campeão da Sul-Americana.

Por ter goleado o Furacão na ida, no Mineirão - a partida em Belo Horizonte terminou 4 a 0 para o Galo, com direito a show de Eduardo Vargas -, o time alvinegro adentrou a Arena da Baixada com a tranquilidade de quem sabia que estava com a taça nas mãos. Experiente, o elenco alvinegro não se abateu nem mesmo com o gol precoce de Pedro Rocha, tento que logo viria a ser anulado por conta de um toque na mão na origem da jogada. Dando bela prova de amor, a torcida rubro-negra fez o seu papel e tentou inflamar o time da casa de todas as formas, mas nada que tirasse o foco ou o rumo do atual campeão brasileiro.

Keno
Keno anotou o gol que selou a vitória por 1 a 0 na Arena da Baixada / Buda Mendes/GettyImages

O lance de perigo em favor do Furacão, aliás, teve efeito reverso para o Atlético-MG: ao invés de enervar o time visitante, tornou-se combustível. E em uma estocada veloz do poderoso e letal ataque alvinegro, Keno anotou o gol que desmobilizou qualquer ímpeto do Athletico-PR. No segundo tempo, o artilheiro Hulk voltou a deixar sua marca, chegando aos oito gols nesta edição da Copa do Brasil e se isolando ainda mais como goleador máximo do torneio.

Já na reta final da partida, o garoto Jaderson anotou o gol de honra do Furacão na decisão, mas não conseguiu evitar o que já estava desenhado: título alvinegro com 6 a 1 no placar agregado, a decisão com placar mais elástico da história do torneio.

Indiscutível, o bicampeonato do mata-mata mais democrático do país encerra uma temporada gloriosa para o torcedor atleticano, talvez a mais importante da história do clube. Ainda que 2013 tenha seu imenso valor pela inédita conquista da Conmebol Libertadores, 2021 será lembrado como o ano de uma raríssima Tríplice Coroa: campeonato estadual, liga nacional e copa nacional.

facebooktwitterreddit