Barcelona: Mais um clube

Gustavo Tavares
Feb 23, 2021, 12:32 PM GMT-3
Real Madrid v Barcelona - La Liga
Real Madrid v Barcelona - La Liga | Denis Doyle/Getty Images
facebooktwitterreddit

O Barcelona está morto. Uma frase forte, pesada e talvez, exagerada. Ela é, mas não deixa de ser verdade. Em toda a linha temporal da história do clube, esta talvez seja sua pior fase. O Barcelona foi morto por seus próprios membros, de dentro para fora. Em uma época estava no topo, sem se preocupar com o mundo afora. Sem temer nada nem ninguém, dominou a Europa com sua imponência, não importava onde pisava, deixava trêmulo qualquer oponente.

Até que um dia, seu pai entregou o clube e deixou seu legado nas mãos de seu jovem filho indisciplinado, concedendo-lhe o poder de fazer o que bem entendesse, gastando toda sua fortuna de forma irresponsável para sustentar sua ambição imediata. O pai se foi, o filho ficou.

Real Madrid v Barcelona - UEFA Champions League Semi Final
Real Madrid v Barcelona - UEFA Champions League Semi Final | Alex Livesey/Getty Images


Convocou alguns jovens inexperientes e colocou o clube em um barco e o abandonou, deixando-o a deriva em mar aberto sem nenhuma perspectiva. Alguns antigos tripulantes, experientes e históricos, não abandonaram o gigante barco. Erro deles, o barco precisa se livrar desse peso para continuar navegando, caso contrário afundará cada vez mais e levará todos juntos, mas eles não percebem, ou pelo menos fingem que não. Todo mundo está entregue, estão devastados, o holofote não brilha mais em suas cabeças e a alma e a essência se foram.

Barcelona´s Argentinian forward Lionel M
Barcelona´s Argentinian forward Lionel M | CHRISTOPHE SIMON/Getty Images

O Barcelona está desmoronando. O gigante dormiu, mas tudo bem, eles sempre dormem. No meio da escuridão, sempre existe uma luz. Um pequena luz brilha, uma pequena faísca resiste. Enquanto essa faísca se mantiver acesa, maiores são as chances dessas chamas se espalharem e transformarem a pequena faísca em um enorme incêndio, trazendo de volta o brilho que conquistou a Europa.

Está longe de acender, mas vai. Levaram porradas até abrirem os olhos, mas não o suficiente para acordar do coma ilusório. Tudo que é grande, pode ser quebrado em pedaços menores, e assim foi feito, lentamente de dentro para fora.

Perderão o jogador mais belo de sua história, e não há nada a ser feito. A sensação é que deixou ser mais que um clube para se tornar mais um clube.

facebooktwitterreddit