Futebol brasileiro

As últimas novidades sobre a possível criação da Libra, a Liga do Futebol Brasileiro

Wéverton Rodrigues
Reunião na tarde desta sexta-feira será importante para uma possível  adesão da Libra
Reunião na tarde desta sexta-feira será importante para uma possível adesão da Libra / Buda Mendes/GettyImages
facebooktwitterreddit

Na tarde da última quinta-feira (5), em Santa Catarina, foi a vez dos clubes da Série B do Brasileirão discutirem sobre uma possível adesão à Libra (Liga do Futebol Brasileiro). Dois dias antes, em São Paulo, 18 clubes da Série A estiveram em reunião e seis deles - a saber, Red Bull Bragantino, Corinthians, Flamengo, Palmeiras, Santos e São Paulo - assinaram um documento prevendo a criação da liga que passaria a organizar o Campeonato Brasileiro. Cruzeiro e Ponte Preta, times da Série B, também assinaram em favor da criação da proposta.

Sendo assim, as equipes envolvidas seguem negociando direitos de transmissão no que se refere as temporadas de 2023 e 2024, e o diálogo entre as partes ainda segue bastante agitado. Apesar disso, a tendência é que a decisão final seja tomada em reunião na sede da CBF, marcada para o próximo dia 12. Os times ainda pretendem estudar melhor o estatuto para, assim, debater a contraproposta para uma possível criação da Libra, por isso várias reuniões estão sendo feitas.

Clubes da Série B e as 14 equipes da Série A (contando com os 10 do movimento Forte Futebol, a saber, América-MG, Atlético-GO, Athletico-PR, Avaí, Ceará, Coritiba, Cuiabá, Fortaleza, Goiás e Juventude), que ainda não assinaram o documento, farão nova reunião - virtual - na tarde desta sexta-feira (6) para falarem acerca das tratativas em torno da ideia apresentada.

Quem já assinou?

Até o momento, a aprovação da Libra conta com assinaturas de Red Bull Bragantino, Corinthians, Flamengo, Palmeiras, Santos, São Paulo (Série A), que ficaram conhecidos como o "grupo dos seis"; Cruzeiro e Ponte Preta, da Série B. Foram os times paulistas da elite da competição nacional, juntamente com o Flamengo, que lideraram a ideia de criação da Liga.

Com 12 assinaturas, a aprovação permite a criação de sede, estrutura e sociedade empresarial da liga. Apesar disso, a proposta do estatuto vigente determina que, para haver a organização de fato do Campeonato Brasileiro, há a necessidade de adesão por parte da maioria dos 40 clubes que compõem as duas principais divisões do futebol nacional hoje. Não obstante, o aval da CBF é outro pré-requisito necessário.

O Forte Futebol, instituição que visa unificar os times envolvidos, afirmou ser contra o formato de rateio de receitas. Outros clubes, como Fluminense, Botafogo, Atlético-MG e Internacional, ainda não se posicionaram a favor da criação da Libra, mas acredita-se que isso deva acontecer nas próximas reuniões. Além disso, times como Grêmio, Sport e Vasco não foram favoráveis à assinatura. Um debate interno está em curso para saber se os estatutos serão, de fato, aprovados. Guarani, Ituano e Novorizontino, demais times paulistas da Série B, devem seguir o "clube dos seis".

Principais pautas a serem acordadas ainda em reunião

- Peso de votos em assembleia geral (times da 2ª divisão temem mudanças internas sem terem o poder de intervir);

- Modelo de rateio de receitas (clubes da Série B e os 14 da Série A são contra);

- Divisão de receitas (a princípio, o "clube dos seis" é favorável à seguinte percentual: 40% de forma igualitária, 30% por performance e 30% por engajamento e audiência. Por outro lado, os representantes da Série B, com exceções de Cruzeiro e Ponte Preta, juntamente com 14 restante da Série A são favoráveis ao seguinte percentual: 50% de forma igualitária, 25% por performance e 25% por engajamento e audiência.

facebooktwitterreddit