Corinthians

As 4 atitudes que Sylvinho precisa tomar se não quiser ser demitido em menos de um mês de Corinthians

Victor Chagas
Após passar uma primeira impressão ruim, Sylvinho terá que se reinventar no Corinthians.
Após passar uma primeira impressão ruim, Sylvinho terá que se reinventar no Corinthians. / RONNY HARTMANN/Getty Images
facebooktwitterreddit

O slogan "Moderno é ser Corinthians" foi utilizado na apresentação de Sylvinho, atual treinador do alvinegro. Entretanto, nas últimas duas partidas disputadas, a frase poderia mudar para "Corinthiano, Maloqueiro e Sofredor", dando muito mais ênfase ao "sofredor". Com duas derrotas em casa para o mesmo adversário, a vida ficou muito difícil para o novo técnico e também para a fiel torcida, que já vinha acompanhando uma evolução, mesmo que muito sutil, de um time que contém um elenco bem limitado. Porém, tudo acabou indo por água abaixo devido à chegada da nova comissão técnica que parece que não sabia o que iria encontrar na zona leste da capital paulista. O treinador precisa se mexer, mudar, entender onde está para desempenhar um melhor papel. Apresentaremos as quatro atitudes que Sylvinho precisa tomar se não quiser ser demitido em menos de um mês de Corinthians

1. Meio de Campo

Angelo Araos
Araos, que não vinha sendo apresentado, foi um dos jogadores escolhidos, para iniciar como titular, por Sylvinho / Miguel Schincariol/Getty Images

Este é, definitivamente, um dos setores que mais fazem o torcedor corinthiano arrancar os cabelo. Sylvinho, nas duas últimas derrotas, em casa, para o mesmo Atlético Goianiense, insistiu em iniciar o jogo com três jogadores de pouca qualidade técnica e pouca velocidade no meio-campo. Na primeira partida, Camacho, Ramiro e Roni, e na segunda apenas efetuou a troca de Roni por Araos. O problema está na proposta do time, que não se tornou mais defensivo e muito menos mais ofensivo. Se a ideia for apostar numa retranca os três volantes caem bem, mas os treinamentos devem ser intensificados para que eles entendam melhor o que devem fazer. Caso a ideia seja povoar a parte central, para melhorar as opções no ataque, existem opções de jogadores e até mesmo de novos esquemas que facilitaram a vida do treinador, do time e da fiel torcida. Caso não mude, será muito mais difícil chegar não só na 1ª vitória mas também no 1º gol.

2. Três zagueiros

Parece implicância da mídia e da torcida, mas não é. A mudança para a linha de quatro, na defesa corinthiana, praticamente destruiu toda evolução que se via no Corinthians. Sylvinho chegou dizendo que era especialista quando o assunto era ter quatro defensores, mas até agora vemos apenas um time muito frágil defensivamente, principalmente em bolas enfiadas pelo meio da zaga. O jovem Raul Gustavo tem Gil ao seu lado, além de Lucas Piton e Fagner pelas alas. Com o antigo treinador, Raul jogava com Jemerson e João Vitor, ou seja, o trio era formado por um zagueiro técnico e dois zagueiros rápidos que estão evoluindo tecnicamente também. Além de que, os dois laterais, que possuem um poder ofensivo absurdamente maior do que o defensivo, ao voltarem formavam uma linha de cinco, fechando ainda mais os espaços. Logo, o timão defendia melhor e também atacava melhor. Jemerson foi embora mas GIl, mesmo em má fase, pode fazer sua função e ajudar a encontrar a tão sonhada solidez na defesa do coringão.

3. Fagner

Fagner
Fagner comemorando um gol após se lançar ao ataque. Com Sylvinho isso está difícil de acontecer / Miguel Schincariol/Getty Images

Por mais que estejamos no 3º tópico, a 1ª coisa que Sylvinho precisa fazer, assim que olhar pro Fagner, seja no treino, na preleção, no ônibus, onde for, é: "quero que você ataque pela direita!" É impossível pensar no Corinthians sem o lateral trabalhado de forma ofensiva, pela ala direita do timão. Por muito tempo, as triangulações entre ele, os meias e os atacantes foram válvula de escape para fazer a bola chegar com perigo na frente e e isso deve voltar a acontecer. Sabemos da qualidade ofensiva de Lucas Piton e sabemos da qualidade ofensiva de Fagner, porém somente pela esquerda os ataques estão acontecendo. Com os dois trabalhando pelas alas, o time pode ficar mais ofensivo e com uma posse de bola mais produtiva.

4. Apostar em jovens promissores

A saída de João Vitor da zaga titular não foi bem vista pela fiel torcida. Gil tomou seu lugar mesmo não apresentando um bom futebol para isso. Ramiro, Camacho, Araos também foram escolhidos para jogar no lugar de Xavier, no lugar de Adson, de Vitinho e outros jovens. Tendo em vista que o Corinthians subiu jovens jogadores par ao profissional devido ao momento vivido, é importante que estes rapazes estejam em campo em posições que possam ser utilizados de maneira otimizada. É necessário dar confiança para os veteranos e fazer com que eles carreguem mais o piano, mas alguns deles não podem, nem ao menos, entrar no decorrer da partida devido a má forma física ou péssimo momento técnico. Distribuir estas responsabilidades é essencial para melhorar o desempenho geral da esquipe.

facebooktwitterreddit