Ancelotti abre o jogo sobre o futuro no Real Madrid e diz se vai assumir a Seleção em 2023: 'Treinar o Brasil?'

Antonio Mota
Carlo Ancelotti tem contrato até meados de 2024 e pretende cumpri-lo junto ao Real Madrid; técnico não vai assumir o Brasil em 2023.
Carlo Ancelotti tem contrato até meados de 2024 e pretende cumpri-lo junto ao Real Madrid; técnico não vai assumir o Brasil em 2023. / Soccrates Images/GettyImages
facebooktwitterreddit

Carlo Ancelotti não está disposto a abandonar o Real Madrid para assumir a Seleção Brasileira no final da atual temporada na Europa, em meados de 2023. Nas últimas semanas, após o anúncio oficial da saída de Tite, o nome do treinador entrou no radar da Amarelinha e ganhou força. O técnico, porém, descartou qualquer rompimento precoce com os Blancos.

"Treinar o Brasil? O futuro eu não sei, vivo a cada dia. Sou um velhote e estou muito bem aqui. Temos muitos objetivos ainda para alcançar no Real Madrid. Há tempo depois, para pensar no futuro", afirmou o treinador, em entrevista à Rádio RAI, da Itália, nesta segunda-feira (19). O veterano ainda destacou que não pretende mudar de ares se não for obrigado a isso:

"Eu tenho contrato com o Real Madrid até 2024. Se não me mandarem embora, eu não me mexo."

declarou Ancelotti.
Carlo Ancelotti
Ancelotti não pretende abandonar o projeto do Real Madrid no final da temporada. Técnico descarta chegada ao Brasil em meados de 2023. / Angel Martinez/GettyImages

Ancelotti deu a resposta sobre “não se mexer” ao ser questionado sobre ter vontade de assumir uma seleção nacional no futuro. É válido mencionar que o Real Madrid se manifestou na semana passada e, em nota, destacou que o vínculo com o italiano vai até o final da próxima temporada.

Após Ancelotti publicizar sua posição e assegurar permanência na Espanha, a CBF já tem ao menos dois nomes fora de sua lista de possíveis nomes para assumir a Seleção Brasileira. Além do italiano, o espanhol Pep Guardiola, do Manchester City, também não demonstrou interesse em deixar o bilionário clube da Inglaterra.

A Confederação está ficando sem opções na primeira prateleira de treinadores do mundo, já que também não cogita investir em treinadores que não falem português ou espanhol, segundo o “ge”. Jürgen Klopp, do Liverpool, por exemplo, fala somente alemão e inglês.

facebooktwitterreddit