América do Sul sofre 'duplo revés' com escolha da Oceania como sede da Copa Feminina de 2023

Vivianne Miedema, Becky Sauerbrunn
United States of America v Netherlands : Final - 2019 FIFA Women's World Cup France | Maja Hitij/Getty Images

Na tarde dessa quinta-feira (25), a FIFA anunciou, após realização de pleito, qual será a sede da próxima edição da Copa do Mundo Feminina. Programado para o ano de 2023, o décimo Mundial da história da modalidade será realizado na Oceania, após a candidatura dividida entre Austrália e Nova Zelândia levar a melhor em relação à Colômbia: 22 votos contra 13 do país sul-americano.

Dentre todas as candidaturas oficiais, a apresentada por Austrália/Nova Zelândia foi a melhor avaliada pelo comitê da FIFA, tendo alcançado pontuação total de 4,1 de 5. Foi a candidatura que assegurou as melhores condições financeiras e estruturais para o recebimento da competição, com 13 estádios aptos para receber partidas, espalhados por 12 cidades. A Colômbia, por sua vez, foi a candidatura que recebeu a pior avaliação dentre as 'finalistas': 2,8.

Para o bem da modalidade e de suas profissionais, a escolha da Oceania como continente-sede do evento foi justa, natural e esperada. Mas isso não deixa de significar uma 'dupla derrota' para a América do Sul e entusiastas do futebol feminino em solo latino-americano: se a Colômbia foi a pior avaliada dentre as finalistas - oferecendo também o menor orçamento total de investimento -, o Brasil se viu obrigado a retirar sua candidatura antes das fases finais do processo, por não obter as garantias governamentais necessárias para sediar o evento.

FBL-BRA-ARG-WOMEN-FRIENDLY
FBL-BRA-ARG-WOMEN-FRIENDLY | NELSON ALMEIDA/Getty Images

No fim das contas, valeu pela empolgação e euforia de mirar um evento dessa magnitude, mas ficou evidente de que é preciso muito mais do que apenas 'surfar na onda' do maior appeal midiático que a modalidade vive hoje: é preciso investir com seriedade, da base ao profissional, em nível de clubes e seleção, para que a América do Sul passe a ser levada a sério quando falamos de futebol feminino. Por enquanto, seguimos com nossos 'passos de formiguinha'.

Quer saber como se prevenir do coronavírus? #FiqueEmCasa e clique aqui.