Opinião

8 grandes retornos na história do Corinthians

Lucas Humberto
Marcelinho Carioca, Willian, Tite e mais: oito dos maiores retornos na história do Corinthians.
Marcelinho Carioca, Willian, Tite e mais: oito dos maiores retornos na história do Corinthians. / Helio Suenaga/GettyImages
facebooktwitterreddit

Paulinho acertou sua volta ao Corinthians num tipo de negócio que sempre foi popular nos corredores do Parque São Jorge: o retorno de grandes ídolos. Ao longo dos anos ficou provado que tratativas desse tipo são um verdadeiro tiro no escuro: às vezes funciona, às vezes não.

O caso de , por exemplo, é um dos mais frescos na memória do torcedor. Principal nome do título brasileiro de 2017, o centroavante retornou em 2020, mas passou longe de repetir o mesmo sucesso. Abaixo, você confere oito das principais tentativas do Timão de reviver a história.

1. Marcelinho Carioca

Marcelinho Carioca Corinthians
Marcelinho Carioca marcou gerações inteiras de corinthianos / Getty Images/GettyImages

Saiu como ídolo e voltou para se eternizar. A história de Marcelinho Carioca e Corinthians se cruzou em três linhas do tempos distintas: entre 1994 e 1997, 1998 e 2001 e, posteriormente, 2006 e 2007. A passagem que mais rendeu frutos foi a segunda. À época, o meia-atacante levantou duas taças do Brasileirão e uma do Mundial.

2. Willian

Willian Corinthians
Camisa 10 retornou após anos no exterior / Ricardo Moreira/GettyImages

Integrante do quadrado mágico contratado em 2021, Willian foi anunciado no Timão como o filho do Terrão que retornou ao seu lar. Formado nas categorias de base do clube paulista, o meia-atacante desembarcou no Parque São Jorge depois de quase 15 anos no exterior, sendo oito desses na Premier League.

3. Tite (2015)

Tite Corinthians
Tite conduziu um dos elencos mais talentosos da história recente do Timão / Alexandre Loureiro/GettyImages

Mesmo depois de ter vencidos alguns dos títulos mais importantes da história corinthiana, Tite voltou aos braços da Fiel para ganhar mais. Do topo do mundo em 2012, o treinador retornou em 2015 para conduzir uma das equipes mais impressionantes da memória recente do torcedor. A sinergia daquele plantel deixou saudades...

4. Fagner

Fagner Corinthians
Lateral segue no Timão / Alexandre Schneider/GettyImages

Antes de marcar época no Timão como uma verdadeira referência na lateral-direita, posto que ocupa com maestria até os dias de hoje, Fagner dedicou alguns bons anos ao futebol europeu, mais precisamente ao PSV e Wolfsburg. Antes da volta definitiva, o camisa 23 também defendeu as cores de Vasco da Gama e Vitória.

5. Emerson Sheik

Liedson Emerson Sheik Corinthians
Sheik se aposentou no Corinthians / AFP/GettyImages

Com lugar garantido entre os principais ídolos do século XXI, o multivencedor Emerson Sheik ficou marcado pelas irreverências e polêmicas - além da capacidade magistral de "catimba", claro. Ele vestiu o manto alvinegro de 2011 a 2015 e, mais tarde, em 2018. Nessa última passagem, o ponta se aposentou nos braços da Fiel.

6. Liédson

Liedson Corinthians
Liédson ficou marcado perante a Fiel pelo respeito ao manto alvinegro / Edu Andrade/GettyImages

Eternamente lembrado pelos gols importantes, o inesquecível camisa 9 corinthiano esteve presente em algumas das conquistas mais expressivas da última década. No Timão, Liedshow, como ficou conhecido, teve duas passagens: 2003 e, posteriormente, entre 2011 e 2012. Não precisamos nem comentar quais taças ele levantou, certo?

7. Freddy Rincón

Corinthians Freddy Rincón
Rincón é ídolo do Timão / VANDERLEI ALMEIDA/GettyImages

Na Terra da Garoa, Rincón só não defendeu as cores do Tricolor Paulista. No Parque São Jorge, duas passagens distintas: de 1997 a 2000 e, depois, 2004. No total, foram 158 jogos, 11 gols, quatro títulos (dois Brasileiros, um Mundial e um Paulistão) e a formação de uma das melhores duplas de volante da época ao lado de Vampeta. Capitão nato!

8. Renato Augusto

Renato Augusto Corinthians Brasileirão
Assim como em 2015, meia está entre os jogadores mais brilhantes do elenco corinthiano / Alexandre Schneider/GettyImages

Por fim (e mais recente na memória), o maestro Renato Augusto. No brilhantes plantel de Tite em 2015, o camisa 8 se comportava como um verdadeiro pilar da equipe. Seis anos mais tarde, o meia ainda desfila seu futebol com a mesma qualidade. Hoje, todas as boas jogadas do alvinegro passam pelo jogador.

facebooktwitterreddit