Listas

7 reforços que foram recebidos com festa e não deram o resultado esperado

Antonio Mota
Honda foi recebido com festa e não emplacou no Botafogo.
Honda foi recebido com festa e não emplacou no Botafogo. / MAURO PIMENTEL/GettyImages
facebooktwitterreddit

Repatriado pelo Corinthians, Yuri Alberto agitou a Fiel nas últimas semanas. Com muito prestígio, o mais novo reforço do Timão teve o primeiro contato ‘mais formal’ com a torcida em treino aberto na última sexta-feira, 8, e foi ovacionado na Neo Química Arena. Aliás, sua entrada em campo contou com show de luzes e muita festa nas arquibancadas. Será que o ‘9’ vai deslanchar em Itaquera?

Sem mais delongas, veja 7 reforços que foram recebidos com festa (física ou não) e não deram o resultado esperado.

1. Ricardo Goulart – Santos

Ricardo Goulart pode deixar o Santos em breve.
Ricardo Goulart já negocia rescisão contratual com o Santos. / Rodrigo Valle/GettyImages

Ricardo Goulart chegou ao Santos, bancou a histórica camisa 10 e foi recebido com status de “craque” na Vila Belmiro no início da temporada. Aos 31 anos, o medalhão gerou grandes expectativas em seu retorno ao Brasil e a projeção era de protagonismo no litoral de São Paulo, mas, até aqui, isso não aconteceu. Inclusive, o meia-atacante e o clube já negociam rescisão contratual.

2. Éder – São Paulo

Éder entregou menos que o esperado no São Paulo até o momento.
Éder está 'devendo futebol' no São Paulo. / Pool/GettyImages

Após passagem pela Inter de Milão e muitos anos vivendo no exterior, Éder foi repatriado pelo São Paulo e movimentou os torcedores no início do ano passado, quando foi anunciado. De lá para cá, no entanto, o atacante não conseguiu assumir o papel esperado e ajudou menos que o projetado. Até aqui, o veterano está em dívida no Morumbi.

3. Patrick de Paula – Botafogo

Patrick de Paula ainda não se encontrou no Botafogo.
Patrick de Paula precisa ser mais protagonista no Botafogo. / Buda Mendes/GettyImages

Patrick de Paula trocou o Palmeiras pelo Botafogo há poucos meses para ser referência no Rio de Janeiro, onde teve os primeiros contatos com o esporte. O talentoso meio-campista, porém, ainda não conseguiu entregar o esperado na equipe de General Severiano. A torcida rotineiramente cobra mais desempenho ao atleta.

4. Diego Godín – Atlético-MG

Diego Godin não emplacou no Galo.
Godín já até deixou o Atlético-MG. / Pedro Vilela/GettyImages

Diego Godín foi um dos zagueiros sul-americanos que mais brilharam na Europa nos últimos anos. Ídolo no Atlético de Madrid e com passagem pela Inter de Milão, o defensor decidiu deixar o Velho Continente e regressar a América há poucos meses, quando foi contratado pelo Atlético-MG. O xerifão, no entanto, não emplacou no Galo e até já foi negociado – rescindiu e assinou com o Vélez.

5. Luiz Adriano – Palmeiras

Luiz Adriano não foi bem no Palmeiras.
Luiz Adriano entregou menos que o esperado no Palmeiras. / Pool/GettyImages

Luiz Adriano atuou em grandes equipes do Brasil e do exterior nas últimas décadas. Após surgir no Internacional e atuar por Milan, Shakhtar Donetsk e outros clubes, o centroavante assinou com o Palmeiras e foi muito bem aceito pela torcida, em 2019. O homem-gol ficou no Allianz Parque até o início deste ano e saiu sem deixar saudades.

6. Keisuke Honda – Botafogo

Honda não deixou saudades no Botafogo.
Honda movimentou os torcedores do Botafogo. / Wagner Meier/GettyImages

Outro nome do Botafogo na lista: Keisuke Honda. Com muita grife e participação em três Copas do Mundo, o meio-campista japonês desembarcou no Brasil para dar sequência ao "legado internacional" de Clarence Seedorf na equipe, mas isso não aconteceu. O meio-campista defendeu o time de General Severiano em 2020 e não alcançou o nível desejado pela torcida.

7. Darío Conca – Flamengo

Conca custou caro ao Flamengo.
Conca não repetiu no Flamengo os feitos dos tempos de Fluminense. / Alexandre Loureiro/GettyImages

Darío Conca deixou muito a desejar durante a sua passagem pelo Flamengo. Ídolo do Fluminense, o meio-campista foi recebido com “AeroFla” no Rio de Janeiro e custou muito caro aos cofres do Fla, em 2017, mas não deu certo. A Nação conseguiu ver o Mago poucas vezes em campo.

facebooktwitterreddit