Casa nova! Atlético-MG deve seguir a tendência mundial e colocar piso sintético ao invés de grama natural na futura Arena MRV. Os gramados artificiais têm feito parte da modernização dos estádios e têm sido cada vez mais comuns nos principais palcos da bola. O recorte é do ​LANCE!.


A informação foi dada pelo próprio presidente do clube, Sérgio Sette Câmara, à Rádio da Massa. Conforme o mandatário, o piso sintético é mais prático e acaba sendo mais atrativo para uma arena multiuso, que vai atender espetáculos e eventos, além das partidas de futebol.

FBL-BRAZIL-MINEIRO-SAMPAOLI

“Venho conversando sobre a possibilidade de nós adotarmos a grama sintética. Porque, sem dúvidas, quando se tem um show, a grama não fica machucada como a natural. Conversei recentemente com o presidente do ​Palmeiras, Maurício Galiotte, e ele me disse que a grama que está sendo colocada no Allianz Parque é muito similar à natural. É uma tendência que isso aconteça”, revelou.


Atualmente, o Atlético tem todos os documentos necessários para trabalhar no terreno onde vai ficar o estádio e tem planejado a obra da Arena MRV. Em sua entrevista, Sérgio Sette Câmara revelou ainda o interesse de criar um espaço moderno, com possibilidade de atender diversos tipos de acontecimentos em Belo Horizonte.


Guilherme Arana

“Teremos muitos shows que ainda não acontecem em BH porque não podem ser no Mineirão, que não tem a modernidade de nossa arena terá, como a mobilidade que os promotores de grandes eventos querem, para mudar rapidamente o palco. Nosso estádio terá esse tipo de coisa", acrescentou o presidente.


O mandatário também falou sobre o projeto e dos benefícios únicos que o Atlético vai ter com o seu estádio. Sérgio Sette Câmara afirmou que nenhum clube no país vai deter um acordo tão positivo.


“Não há um clube no Brasil que tenha um estádio 100% dele, com a receita toda do clube. A WTorrre, que construiu o estádio do Palmeiras, é quem arrecada com shows lá. Em todos os outros estádios foram feitos acordos, sempre há situação em que o clube não é detentor de 100% das receitas da arena. No caso do Atlético, tudo o que arrecadado virá para o clube, inclusive o valor pelo aluguel do espaço”, destacou.


Por fim, o gestor falou sobre o cuidado que o Atlético tem tomado com o impacto ambiental da obra. “A madeira suprimida será encaminhada para a Sociedade São Vicente de Paula, para fazer móveis. Existem biólogos acompanhando tudo, nosso estádio está no começo. Vamos começar a terraplanagem, respeitando a legislação, e daqui a três anos teremos o estádio pronto”, encerrou. 


Foto de capa: Twitter / ​Arena MRV