Na história dos clubes de futebol, sempre há aqueles grandes jogos que marcam para a eternidade. Uma conquista de título, uma vitória em clássico, uma classificação heroica...enfim, existem vários modos de uma partida ficar para sempre na memória dos torcedores. Mas, por vezes, um amistoso também é capaz de obter tal rótulo. Em 1995, por exemplo, o duelo entre União Mogi e Santos colocou frente a frente o pai de Neymar e o filho de Pelé.


FBL-BRAZIL-PELE-EDINHO-CRIME-DRUGS


O Peixe foi convidado para o "amigável", realizado em 31 de maio, que assinalou a reinauguração do estádio municipal Francisco Ribeiro Nogueira.​ Para tanto, teve Edinho como goleiro. Já os donos da casa levaram para campo, no ataque, Neymar "pai". À época, era quase impossível haver tal confronto se não fosse deste modo, afinal, o Santos estava na chamada Divisão Especial (hoje Série A-1), enquanto o União Mogi se encontrava na Intermediária (A-2).


Neymar Jr,Neymar Sr,Neymar da Silva Santos


"Para o nosso time foi uma grande festa. Vários ídolos do outro lado, o filho do Pelé. Era muito importante. Queríamos mostrar o nosso valor. Fiz de tudo para tentar ganhar, mas não tinha jeito. Era uma das maiores fases da carreira do Edinho", disse Neymar "pai", ao ​Globoesporte.com. O duelo em Mogi das Cruzes terminou empatado por 1 a 1, gols de Jamelli (Santos) e Da Silva (Mogi). 


Ficha técnica: União Mogi 1 x 1 Santos (1995)


União Mogi: Haroldo; Alberto, Ricardo, Renato e Márcio; Binha, Gilson (Da Silva), Jocimar e Neymar; Servílio e Sandro. Técnico: Waldir Peres.

Santos: Edinho (Robson); Silva (Ronaldo), Maurício Cupertino (Camilo), Marcelo Fernandes e Marcos Paulo; Gallo, Cerezo, Carlinhos e Jamelli (Rogério); Camanducaia (Marquinhos) e Demétrius. Técnico: Joãozinho.


E, para quem pensa que este foi o primeiro encontro de Neymar "pai" com o clube que revelaria seu filho para o mundo, está enganado. Em 1990, por exemplo, já havia disputado amistoso que terminou com vitória do Peixe por 1 a 0, gol de Kazu, numa partida que ainda contou com nomes dos quilates de Sergio Guedes, Sérgio Manoel, Marcelo Veiga e César Sampaio, atual ​auxiliar de Tite na Seleção Brasileira.