​A Federação das Associações de Atletas Profissionais (Faap), com sede em Brasília e que presta assistência social e educacional aos jogadores, entrou na Justiça contra o ​Palmeiras. A entidade cobra um total de R$ 448 mil do Verdão, quantia esta relacionada às vendas do meia Moisés e do lateral-esquerdo Luan Cândido. ​ESPN teve acesso ao processo.



A Lei Pelé obriga os clubes a repassarem para a Faap 0,8% do total envolvido em uma negociação de profissionais para o exterior. Assim, a equipe paulista deve R$ 168 mil (de um total de R$ 21 milhões) da ida de Moisés para o Shandong Luneng, da China, e outros R$ 280 mil (de um total de R$ 35 milhões) por conta da transferência de Luan Cândido para o RB Leipzig, da Alemanha.


Moises


Na ação, a entidade alega que notificou o Palmeiras. "(...) Tendo recebido a notificação, a Sociedade Esportiva Palmeiras permaneceu inerte. Constatou-se, assim, que o réu não repassou os recursos diretamente à Faap, (...) não restando alternativa à autora senão a de buscar a Justiça para obter o que lhe é de direito, fazendo-a na forma desta cobrança", escreveu a entidade, que refuta qualquer possibilidade de audiência de conciliação e ainda quer que o clube pague os honorários advocatícios. O julgamento do caso ocorrerá na 34ª Vara Cível de São Paulo, através da juíza Adriana Sachsida Garcia. O Verdão foi procurado e não quis comentar o caso.


Para mais notícias do Palmeiras, clique ​aqui.