Mario Balotelli ficou em campo apenas sete minutos no empate entre o Brescia, clube do camisa 45, e Cagliari, no último domingo (19), pela 20ª rodada da Série A da Itália. O atacante foi expulso e posteriormente punido pelo Tribunal Esportivo da Liga Italiana com duas partidas de suspensão e multa de 10 mil euros (cerca de R$46,7 mil).


De acordo com a imprensa do país, o polêmico atacante quer deixar o modesto clube italiano ainda nesta janela de transferências e, para isso, tem “forçado a saída”. A atitude no campo, com entrada dura no defensor Fabio Pisacane e intensa revolta contra o árbitro da partida, fortalece os rumores.


Mario Balotelli chegou ao Brescia em agosto de 2019 como uma grande estrela para o pequeno time da região da Lombardia, na Itália, mas não conseguiu emplacar no futebol nacional. Os diversos casos de racismo dentro e fora de campo marcam a passagem do jogador pelo clube da cidade que o acolheu na infância.


O atacante italiano não anunciou publicamente o seu desejo de deixar a equipe, mas o contexto da história não deixa outras opções ao jogador de 29 anos. Balotelli sofre com o preconceito em seu país natal e vê pouca ou nenhuma punição aos racistas. A Federação Italiana de Futebol, o Brescia Calcio e demais entidades competentes parecem apenas observar a situação.


Mario Balotelli

Os casos de racismo aumentaram no futebol mundial e Mario Balotelli é mais uma vítima de um sistema que mais assiste do que pune. O atacante relata que “vai continuar trabalhando diariamente”, enquanto a FIGC e responsáveis seguem ignorando a crescente racista e de ódio que se instala no esporte. O melhor para o artilheiro, que demonstra não estar mais com a cabeça no futebol, é mudar de ares.