​Quando contratado pelo ​Santos via empréstimo, para a disputa da temporada passada, Gabriel Barbosa retornava ao futebol brasileiro com status de decepção europeia que procurou a 'volta à casa' pela necessidade de se reafirmar/recuperar. Na Vila, o jovem atacante fez as pazes com as boas atuações e com as redes, fechando 2018 como artilheiro da Copa do Brasil e do Brasileirão. Neste domingo (8), o camisa 9 reencontra o seu clube formador, mas com um status bem diferente em relação ao que tinha quando decidiu retornar ao país.


Primeiramente, Gabigol rechaçou de vez a teoria de ser 'jogador de um clube só'. Encarou muito bem a pressão imensa de vestir a camisa 9 do ​Flamengo e emplacou o melhor ano de sua carreira, pulverizando recordes históricos do clube e fechando o calendário sul-americano como goleador máximo da equipe em duas competições (Libertadores e Brasileiro). Com o Mundial de Clubes ainda pela frente, o jovem atacante pode fechar uma trinca de artilharias.




Em segundo lugar, Gabriel conseguiu romper uma barreira que costuma ser complicada para jovens jogadores sul-americanos: mesmo não tendo ido bem em sua primeira experiência europeia, seu nome voltou ao radar de clubes do Velho Continente. Esta 'segunda chance' não costuma ser comum, já que os grandes clubes do futebol mundial costumam ser bastante 'frios' em seus investimentos. Bem cotado aos olhos do mundo, o camisa 9 é objeto de desejo de algumas clubes estrangeiros, cenário que dificulta sua permanência na Gávea.

Gabriel Barbosa

Mais maduro, mais letal e mais consolidado como jogador de primeiro nível: o reencontro entre criador (Peixe) e criatura (Gabigol) promete ser quente, mas os prognósticos não são nada animadores para a defesa alvinegra...