​Indignação e raiva são palavras com as quais o torcedor do Cruzeiro precisou conviver ao longo de todo o Campeonato Brasileiro, afinal, o clube sempre esteve rondando a zona de rebaixamento e, agora, chega à última rodada com reais riscos de, pela primeira vez em sua história, cair para a Série B. No entanto, uma outra palavra, ao menos durante este final de semana, precisa estar no cotidiano dos fãs da Raposa: esperança. E logo vem à mente o que aconteceu na principal competição nacional em 1991.




Naquele ano, a equipe chegou à rodada derradeira da fase classificatória também correndo riscos de ser rebaixada. E, na ocasião, enfrentaria justamente o ​Palmeiras, rival deste domingo. O time, com 14 pontos, estava somente à frente de Sport (11), Grêmio e Vitória (ambos com 12). Como naquela época caíam dois, dependendo do que acontecesse em campo, gaúchos e baianos poderiam superar o Cruzeiro e empurrá-lo para a degola.


Chile's Colo Colo v Brazil's Cruzeiro - 2010 Libertadores


Em 19 de maio, a Raposa entrou no gramado para pegar um adversário que, assim como agora, brigava na ponta de cima (no final, o Palmeiras acabou não ficando entre os quatro que passaram à semifinal). E, mesmo precisando de apenas um empate para se safar da queda, conseguiu a vitória. Nonato, aos 29 minutos do segundo tempo, e Boiadeiro, aos 42, balançaram a rede, garantindo o 2 a 0. Com isso, Grêmio e Vitória acabaram indo para a segunda divisão. Como curiosidade, naquele jogo, Adilson Batista, técnico contratado pelo clube  para somente as três partidas decisivas deste Brasileirão, era um dos zagueiros da equipe comandada por Pedro Pires de Toledo.



Agora, a situação é um pouco mais dramática. O Cruzeiro, que está dentro do Z-4, não depende apenas de si para ficar na Série A. Se o ​Ceará, que enfrenta o Botafogo, no Rio de Janeiro, empatar seu compromisso, nem um eventual triunfo diante do Verdão será suficiente. No momento, dois pontos separam mineiros e cearenses. Fica, então, a esperança.


Ficha técnica - Cruzeiro x Palmeiras (19/05/1991)


Cruzeiro: Pereira; Balu, Paulão, Adilson e Nonato; Rogério Lage, Boiadeiro e Luiz Fernando; Paulinho, Charles e Marcinho (Quirino). Técnico: Pedro Pires de Toledo.


Palmeiras: Velloso; Toninho, Odair, Eduardo (Aguirregaray) e Biro; Galeano (Lima), Dorival Júnior e Ranielli; Jorginho, Betinho e Edvaldo. Técnico: Paulo César Carpegiani.