Vasco v Corinthians - Brasileirao Series A 2015

​Um plano que começou modesto e que fez nascer algo gigante, muito acima do imaginado. Foi assim que a explosão de sócios do ​Vasco se tornou um dos principais assuntos do futebol brasileiro. Em meio a tantas conquistas do rival ​Flamengo dentro de campo, o Cruz-Maltino conseguiu mostrar que fora das quatro linhas a sua força segue avassaladora. Em somente uma semana, o clube foi passando um a um para alcançar a ​liderança no ranking de associados no país


Um feito tão impressionante que nos motivou a conversar com Eduardo Sá, diretor do programa Gigante e uma das principais mentes por trás do sucesso da campanha. Confiram abaixo o bate-papo exclusivo com ele e a sua percepção sobre tudo que aconteceu nos últimos dias na Colina.


A meta inicial era de 45 mil sócios, como já foi falado em outras entrevistas. Qual foi a reação quando vocês a bateram? Havia um plano de contingência que previsse aumento tão grande em tão pouco tempo?


É isso, a meta inicial era de 45 mil sócios, a gente estava olhando pro dobro da capacidade de São Januário (que hoje é de 23 mil), e a nossa reação na primeira hora da campanha foi de ter a certeza de que estávamos olhando para um número muito menor do que poderíamos atingir até sexta-feira (29 de novembro). E aí, no segundo dia de promoção, a gente já começou a alterar metas em tempo real, dia após dia, já olhando para novos números.


Vasco da Gama v Gremio - Brasileirao Series A 2017


Quais aspectos da identidade histórica do Vasco foram explorados para atrair o torcedor? 


Logo num primeiro momento de campanha, a gente usou os meninos da base (Bruno Gomes, Gabriel Pec, Talles Magno) ativamente para trazer essa galera para perto, porque o vascaíno tem muita origem da sua base, raiz, como a gente gosta de chamar. A gente também explorou o conceito de "Clube do Povo" e toda a história dos vascaínos se juntarem para ajudar o seu clube, como foi com a construção de São Januário, como está sendo com o CT e outras coisas ao longo da história. 


A rivalidade com o atual momento do Flamengo foi levada em consideração para planejar e impulsionar o movimento?


A rivalidade com o atual momento do Flamengo pode ter ajudado a dar uma acelerada na campanha sim, mas quando a gente começou a planejar essa Black Friday lá atrás, no momento em que a gente já tinha batido 30 mil sócios, o Flamengo ainda não era campeão brasileiro e também ainda não era campeão da Libertadores, então este projeto iria acontecer independente do que se passou com o rival na véspera do lançamento da nossa campanha.


Marrony


Vocês têm notícia de algum outro movimento paralelo de associação em massa tão bem-sucedido na história como o que aconteceu com os vascaínos nos últimos dias? Com um clube que não conquistou títulos recentes...


Eu estudo muito sobre a área, gosto muito da área e desconheço qualquer movimento de adesão do nível do que tivemos. Foram 100 mil novos sócios em uma semana de campanha sem um resultado desportivo desproporcional, sem um título ou sem a contratação de uma nova estrela, sem qualquer semifinal de competição importante de mata-mata que faça a galera aderir para ter direito a um ingresso, então disso tudo a gente conclui que a torcida do Vasco é de fato fantástica.


Além da marca alcançada, o Vasco está atento aos detalhes ligados aos perfis de seus sócios, novos e antigos? 


Sim, sim. Quando a gente olha pro futuro, é importantíssimo nós conhecermos o nosso fã cada vez melhor. É importante a gente saber quem é o torcedor vascaíno, quem é o nosso sócio. Enfim, é crucial a gente conhecer bem e profundamente os nossos fãs para que no futuro a gente possa usar isso da melhor forma possível. 


Como o boom pode influenciar as próximas ações e a imagem da instituição a partir de agora?


Este boom tem importante participação financeira no processo de reestruturação do clube, resgata o orgulho do torcedor vascaíno e mostra ao mercado o potencial de mobilização da nossa torcida. Mostra pro mercado o tamanho da força, o tamanho da potência que é o Club de Regatas Vasco da Gama.


Existe alguma preocupação em relação às chances de, a partir de agora, os jogos ficarem restritos somente aos sócios? Como lidar com isso sem que corra o risco de elitizar o acesso a São Januário?


São Januário agora ficar com praticamente 100% de sócios é uma quase realidade. A gente tem um estádio com capacidade para 23 mil pessoas e 150 mil sócios no momento da conversa, então diria que já é uma realidade. Mas não existe este risco de super-elitizar o acesso a São Januário porque a gente tem planos bem populares e até com cunho social, então, mesmo com essa demanda gigante, a gente sempre vai ter ingressos separados para esse plano popular (o "Camisas Negras"), em que o nosso fã desembolsa o valor de R$ 7,98 por mês. Isso é um dos aspectos presentes no DNA do Vasco, e a gente procura manter ao longo da nossa história.


FBL-LIBERTADORES-VASCO-WILSTERMANN


O que vocês responsáveis pela campanha acham das alegações daqueles que a desmerecem por conta dos baixos valores de adesão?


Esta pergunta é muito importante. Onde pessoas tentam desmerecer, nós temos orgulho. Nós não temos nenhuma vergonha, muito pelo contrário, de ter alguns planos com valores mais baixos. Na cultura do Vasco, está enraizado que o Vasco é o clube do povo. É até um apelido do clube, nós temos faixas em São Januário contando isso e a história diz isso. E foi olhando para esta causa, olhando para o povo, que o Vasco se tornou gigante. Isso também é uma causa muito nobre. O futebol é do povo, é da cultura popular, então a gente tem que sempre olhar com carinho para essas praças. Além do que, o Vasco é um clube nacional. Hoje a gente tem sócios em todos os estados do Brasil e, quando você olha para isso, o mínimo que a gente pode dar para um fã de longe do estado é essa conexão com o clube. Fiquei bastante feliz inclusive de ter recebido ligações para entrevistas para veículos no Amazonas e no Espírito Santo. Hoje temos 3 mil sócios no primeiro e 7 mil no segundo.


Por fim, com o topo do ranking de sócios no Brasil alcançado, o Vasco agora mira ultrapassar os principais clubes internacionais para, quem sabe, se tornar o líder mundial neste quesito? Ou é muito longe ainda para se pensar nisso?


Estar liderando o ranking de algo positivo é sempre muito bom. A gente chegou ao topo do ranking Brasil, um desafio bastante grande, temos que comemorar mesmo. Quando a gente olha para o mundo, sabendo que a gente está entre os 10, hoje talvez esteja até no Top 5, não é nenhum absurdo você olhar pro topo. Obviamente estamos sabendo das dificuldades, sabendo dos desafios, mas a torcida do Vasco é fantástica e faz a gente acreditar que tem condições de chegar nisso no futuro. Agora, quanto a este ponto, pra mim uma grande questão se refere aos critérios utilizados para essa contagem de sócios. Aqui dentro do Brasil mesmo não existe um critério bem estabelecido, bem definido, então é difícil também você estabelecer um ranqueamento fidedigno. É até bacana de se perceber que os dois clubes que estão na frente hoje - Vasco e Flamengo - são duas equipes que são muito transparentes nesse número, inclusive ambas possuem um contador no site do seu programa.