Fator casa, torcida, jogadores, comissão técnica, arbitragem... Inúmeros aspectos/grandezas podem influenciar o resultado de uma partida. Gandulas também? Pois bem, há vezes que esses 'desconhecidos' se tornam protagonistas, e com uma reposição rápida, ou atrasando a entrega da bola, podem mexer com a dinâmica de um jogo. Relembre conosco 5 casos de partidas que contaram com 'atuação decisiva' destes anônimos:

Tottenham 4 x 2 Olympiacos (2019)

Jose Mourinho

​Este caso é a grande inspiração para a construção desta lista. Na última terça-feira (26), uma cena inusitada correu o mundo e repercutiu demais nas redes sociais: Mourinho abraçando um jovem gandula que trabalhava no Tottenham Hotspur Stadium. O motivo? O garoto repôs a bola para o ataque dos Spurs em milésimos de segundo, permitindo que os atletas do clube londrino pegassem a defesa adversária de surpresa. O lance culminou no gol de empate do Tottenham, que posteriormente viraria para 4 a 2 e conquistaria importante vitória na ​Champions League.


LDU 5 x 1 Fluminense (2009)

Midfielder Enrique Vera (L) of Ecuador?s

Na decisão da Copa Sul-Americana de 2009, o ​Fluminense reencontraria o clube que foi seu grande algoz na final da Libertadores do ano anterior. E, mais uma vez, o time carioca sofreria, tanto com a altitude de Quito, quanto com o ritmo acelerado do jogo. Por velocidade, entenda também o 'arranjo' dos donos da casa com os gandulas que atuavam no Estádio Casa Blanca: as velozes reposições pegaram a defesa tricolor de surpresa várias vezes, uma delas, inclusive, originando o primeiro gol equatoriano. Na ocasião, haviam duas bolas em jogo no campo, fato ignorado pelo juiz da partida.


Nacional (URU) 3 x 0 Flamengo (2008)

Pela fase de grupos da Libertadores de 2008, o ​Flamengo visitou o tradicionalíssimo Nacional e acabou 'atropelado' na capital uruguaia. A partida foi marcada pelo destempero dos jogadores rubro-negros, irritados com a catimba dos jogadores uruguaios e com a 'malandragem' dos gandulas que trabalhavam no estádio. Irritado com a postura destes, o volante Toró perdeu a cabeça e agrediu um gandula, sendo expulso já nos minutos finais de jogo.


Botafogo 3 x 1 Vasco (2012)

Botafogo v Vasco - Brazilian Serie A

​Botafogo e Vasco adentraram o Estádio Nilton Santos para decidir a Taça Rio de 2012. Com poucos minutos de jogo, ocorreu um lance polêmico que definiria os rumos do clássico: a gandula Fernanda Maia, que sempre trabalhava nos jogos do time alvinegro, repôs a bola nas mãos de Maicosuel, que rapidamente lançou Loco Abreu, livre na área adversária. A velocidade da saída de jogo pegou a defesa do ​Cruzmaltino desarrumada, culminando no primeiro tento do jogo. O lance gerou muita reclamação durante e depois o apito final.


Huracán 2 x 2 River Plate (2015)

Carlos Sanchez

Rivais de Buenos Aires, Huracán e River Plate duelavam para saber quem avançaria à grande decisão da Sul-Americana de 2015. O placar da segunda semifinal apontava 2 a 2, com os millonarios pressionando em busca do terceiro gol, necessário para sua classificação. A demora na reposição da bola pelos gandulas do Estádio El Palacio enfureceu Carlos Sánchez, que à época defendia o River. O uruguaio acabou dando um tapa no rosto de um deles e foi expulso. A título de curiosidade, foi esta expulsão que gerou toda a confusão que envolveu o jogador no ano passado, quando entrou em campo pelo ​Santos na Libertadores.