Pedindo o Mundo de novo - em música que vem embalando a mágica temporada de seu clube -, a torcida do Flamengo celebrou, no último sábado (23), o primeiro passo rumo ao feito: ​a Copa Libertadores, título que carimba o passaporte rubro-negro rumo ao Mundial de Clubes em dezembro. O que aguarda o Rubro-Negro na torneio interclubes mais valorizado do nosso calendário? A 90min traz um 'raio-X' dos potenciais rivais do clube carioca em sua busca pelo tão sonhado bicampeonato mundial. Confira a seguir:


​​Semifinal: Esperánce (TUN) ou Al-Hilal (ARA)

FBL-AFR-C1-ESPERANCE-WYDAD

​O ​Flamengo estreia no Mundial de Clubes no dia 17 de dezembro, contra o vencedor do duelo de quartas de final entre Espérance, da Tunísia, e Al-Hilal, da Arábia Saudita. O que podemos esperar destes adversários? Quais são seus pontos fortes?


Espérance (TUN): Superou o Wydad Casablanca (MAR) na decisão para sagrar-se bicampeão africano de forma consecutiva. Disputará o Mundial de Clubes pela terceira vez em sua história. Em 2018, decepcionou e foi eliminado logo na estreia, sendo superado com facilidade pelo Al Ain. É uma equipe frágil defensivamente, mas com alguns jogadores de ataque que demandam atenção, como os atacantes Yassine Khenissi e Anice Badri, além do camisa 10, Belaïli.


Al-Hilal (ARA): O clube saudita sagrou-se ​campeão da Champions League Asiática na manhã do último sábado (23), ao bater o japonês Urawa Red Diamonds na decisão. É um clube com experiência de Mundial de Clubes e dono de um elenco forte e competitivo, recheado de atletas de rodagem em grandes clubes do futebol europeu: Gomis (ex-Lyon), Carrillo (ex-Sporting) e Giovinco (ex-Juventus) são alguns exemplos. Também conta com um 'velho conhecido' do time da Gávea: o volante colombiano Gustavo Cuéllar. 


E o outro lado da chave?

Jurgen Klopp

No outro lado do chaveamento, é altamente improvável que não tenhamos uma semifinal entre o representante da CONCACAF, o Monterrey (MEX), e o campeão da Champions League, Liverpool. Para os mexicanos chegarem à semifinal, terão de passar pelo vencedor do duelo entre Al-Sadd (QAT), que tem Xavi Hernández como treinador, e Hienghène Club, equipe da Nova Caledônia que fará sua estreia em Mundiais. 


Monterrey (MEX): É um dos clubes mais fortes de seu país e conta com um aporte financeiro de dar inveja, já que pertence à multinacional FEMSA. O alto investimento lhe permitiu montar um elenco altamente competitivo e com alguns jogadores bastante conhecidos, como Miguel Layún (ex-Porto), Pabón, Funes Mori, Maxi Meza e Janssen, centroavante que chegou ao clube na janela do meio do ano, vindo do Tottenham,


Liverpool (ING): Praticamente dispensa apresentações. Após conquistar a Europa, não tirou o pé do acelerador e começou a nova temporada 'voando', sendo uma das poucas equipes do continente que ainda não perderam em 2019/20. Lidera o Campeonato Inglês com folgas. Seu elenco é um dos mais fortes e mais equilibrados do futebol mundial: além do melhor goleiro (eleito pela FIFA), conta com laterais de excelência e um zagueiro batido apenas por Messi na corrida pela Bola de Ouro. Como 'cereja do bolo', a trinca ofensiva mais entrosada e letal da atualidade, formada por Salah, Mané e Roberto Firmino.