​O volante Hudson não vive um bom momento no ​São Paulo. Nos últimos meses, o atleta perdeu espaço e virou reserva da equipe, principalmente desde a chegada do técnico Fernando Diniz. O polivalente jogador que também já atuou na lateral, acabou 'recusando' permanecer nessa posição, o que foi um dos fatores que o levou a ficar fora da equipe. O atleta falou em entrevista exclusiva ao 'Lance' sobre sua situação.


​​

Hudson

"Aceitar o banco a gente não aceita. Mas a gente tem que respeitar as opções do treinador, as preferências dele. Em nenhum momento me bateu arrependimento, não. Algumas pessoas vieram para mim e falaram que eu poderia ter tido uma atitude diferente, mas eu expliquei o meu modo de ver, que para mim seria muito mais difícil continuar minha carreira depois como um lateral improvisado ou um volante que não jogava mais de volante há muito tempo", relatou sobre a recusa de atuar pela lateral.


O jogador também falou sobre a qualidade do elenco e reafirmou que não pode acomodar-se e aceitar a reserva. "Eu acredito que não aceitar é não se acomodar, não achar que está bom. Por mais que aqui tenha jogadores de extrema qualidade eu tenho que trabalhar muito para estar sempre entre os 11, que foi o que aconteceu na maior parte da minha passagem aqui no São Paulo. É o que eu tenho que buscar sempre."


Perguntado sobre a possibilidade de sair do clube, Hudson não confirmou que poderá permanecer, deixando o seu futuro em aberto para outro lugar onde tenha mais minutos em campo. "Sobre o futuro a gente não sabe, ainda está cedo. Tenho mais dois anos de contrato aqui, espero cumprir, mas é claro que quanto mais jogar melhor", concluiu. Em 2019, o atleta tem 33 partidas e dois gols com a camisa Tricolor.