A vitória do Botafogo sobre o Avaí por 2 a 0, nesta segunda-feira, empurrou o ​Fluminense de volta à zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro. Faltando seis rodadas para o término da competição, o clima nos bastidores das Laranjeiras só piora, e o presidente Mário Bittencourt tende a acelerar a decisão de afastar o vice-geral Celso Barros do convívio com os jogadores.




A presença do dirigente no vestiário não é bem-vinda pelo grupo, que solicitou este afastamento ao mandatário. Agora, espera-se para os próximos dias uma decisão definitiva a respeito deste assunto, afinal, a temporada já se encaminha para o término e a equipe precisa reagir.



O elenco não gostou de declarações de Barros, que criticou publicamente o trabalho do técnico Fernando Diniz e disse que, se ele não tivesse permanecido tanto tempo, o aproveitamento no Brasileirão, agora, já seria bem diferente. Diante deste cenário, o próprio clima do cartola junto a Bittencourt acabou prejudicado. Assim, ele fica cada vez mais isolado dentro do clube, já que, a princípio, existe um "fechamento" do grupo como treinador Marcão, o executivo de futebol Paulo Angioni e o próprio presidente. Há um pacto firmado de evitar a queda do Flu para a Série B sem depender de resultados paralelos. E, ao que tudo indica, o vice-geral será alijado deste processo a qualquer momento justamente sob o argumento de que não está colaborando para este processo. No próximo sábado, o Tricolor volta a campo para enfrentar o ​Atlético-MG, no Rio de Janeiro.


Para mais notícias do Fluminense, clique ​aqui.

​​